CATÁSTROFE

ONU diz que furacão Irma quebrou "uma série de recordes"

O furacão Irma teve ventos que ultrapassaram os 297 quilômetros horários durante 37 horas e tornou-se o furacão de maior intensidade até agora

Da Rádio Jornal
Da Rádio Jornal
Publicado em 11/09/2017 às 13:53
Leitura:

Imagem

A Organização das Nações Unidas (ONU) declarou que o furacão Irma "quebrou uma série de recordes" e já é considerado o mais forte do Atlântico fora do Caribe e Golfo do México. O fenômeno teve ventos que ultrapassaram os 297 quilômetros horários durante 37 horas. Com isso, o Irma torna-se o furacão de maior intensidade até agora. A informação é da ONU News.

Para chegar às conclusões, a Organização Mundial de Meteorologia (OMM), em Genebra, usou dados obtidos por especialistas em tempestades tropicais da Universidade do Estado de Colorado. De acordo com a informação, o Irma também gerou a maior energia ciclônica acumulada do que as oito primeiras tempestades combinadas desta temporada de furacões do Atlântico, desde o Arlene até o furacão Harvey.

Leita também

Furacão Irma: especialista explica fenômeno que atinge as Américas

Na Flórida, pernambucano relata tensão com passagem do furacão Irma: é devastador

Falando a jornalistas, porta-vozes de agências da ONU afirmaram que as reservas alimentares de contingência enviadas para o Haiti são suficientes para atender mais de 150 mil pessoas em um mês e que os caminhões conseguiram chegar ao norte do país.

De acordo com especialistas, simulações recentes revelaram que há uma possibilidade de aumento da frequência de furacões de categorias 4 ou 5 e de registos de clima mais quente durante o século 21. O Irma foi um dos três furacões ativos semana passada na região da bacia atlântica, juntamente com o José e o Cátia, numa "situação rara mas não sem precedentes". O mesmo ocorreu em em 1967, 1980, 1995, 1998 e 2010.

As ilhas baixas do Caribe que incluem São Martinho, St. Maarten e Barbuda, bastante atingidas, declararam estados de emergência nas áreas afetadas.

Mortes em Cuba

Segundo fontes da Defesa Civil de Cuba furacão Irma deixou, pelo menos, dez pessoas mortas durante sua passagem pelo país. A maioria das vítimas morreu em consequência de desabamentos de edifícios. Do total, sete mortes foram registradas em Havana, ainda que o fenômeno tenha provocado também fortes inundações no litoral norte do país.

O Irma castigou o litoral norte de Cuba como furacão categoria 4 durante a sexta-feira e o sábado, provocando graves inundações e obrigando a evacuação de cerca de 1,7 milhão de pessoas.

Mais Lidas