JUSTIÇA

Justiça decide em dez dias se acusado de matar fisioterapeuta vai a júri popular

Edvan Luiz é acusado de estuprar e matar a fisioterapeuta Tássia Mirella em abril deste ano no apartamento da vítima

Rádio Jornal Rádio Jornal
Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 20/09/2017 às 16:00
Leitura:

Imagem

O acusado de matar a fisioterapeuta Tássia Mirella pode ir a júri popular. Em audiência de instrução na manhã desta quarta-feira (20), na 3ª Vara do Tribunal do Júri da capital, o juiz Pedro Odilon ouviu Edvan Luiz da Silva.

O Ministério Público de Pernambuco tem até cinco dias para se pronunciar, mas já emitiu nota oficial reforçando a denúncia e pedindo que o caso vá a júri popular.

Em sequência, a defesa do acusado tem mais 5 dias para apresentar seus argumentos. A decisão ficará a cargo do juiz Pedro Odilon, que decide se o caso vai a júri popular.

Edvan responde pelos crimes de estupro e homicídio quadruplamente qualificado (assegurar a ocultação de outro crime, sem possibilidade de defesa da vítima, emprego cruel e feminicídio).

Protesto durante audiência

Os familiares e amigos de Tássia Mirella fizeram um protesto em frente ao Fórum Thomaz de Aquino, local onde foi realizada a ouvida do acusado de cometer o crime.

Para o pai da vítima, Wilson Araújo, a morte da filha trouxe à tona a discussão sobre a violência contra a mulher.

Ouça os detalhes na reportagem de Bruno Galvão:

Relembre o caso

Imagem

O corpo de Tássia Mirella de Sena, que morava sozinha, foi encontrado despido no meio da sala do apartamento dela, no 12º andar, no último dia 5 de abril deste ano, em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife.

De acordo com o Instituto de Medicina Legal (IML), Tássia estava com um corte profundo no pescoço e outro em uma das mãos, indicando que ela tentou se defender do agressor. O flat estava totalmente revirado. Edvan foi preso no mesmo dia do crime. Rastros de sangue que começavam na porta do apartamento da vítima e invadiram o corredor até a porta do comerciante deram a primeira pista aos investigadores.

Dentro do apartamento do acusado, um homem de cueca, com marcas de luta corporal, e que não atendeu aos insistentes apelos da Polícia para abrir a porta, reforçou a suspeita. Somados a isso, um trabalho minucioso de médicos legistas que encontraram o material genético da vítima nas marcas de sangue encontradas na residência de Edvan e fragmentos da pele dele embaixo das unhas dela. Sem falar dos, até então, longos fios de cabelo preto dele presos nas mãos do cadáver deitado no local do crime.

Mais Lidas