ESPANHA

Mesmo com repressão, catalães votam em referendo sobre independência

Polícia espanhola protagoniza cenas de violência até contra idosos que resolveram ir às urnas votar em referendo sobre independencia da região

Ismaela Silva
Ismaela Silva
Publicado em 01/10/2017 às 9:03
Leitura:

Imagem

Cenas de violência, cidadãos feridos e colégios eleitorais parcialmente destruídos. Essas foram as imagens registradas desde o início da manhã deste domingo na Catalunha, Espanha. Dia de votação do referendo que consulta os moradores sobre a independência da região, desde as 5h da manhã no horário local havia filas imensas nos colégios eleitorais. Às 9h a polícia espanhola irrompeu em vários deles violentamente, espancando idosos, jovens, quem estava pela frente. Mas mesmo assim, a Catalunha resiste e vota.

O governo espanhol considera o referendo ilegal e reivindica que a Constituição declara que o país é indivisível, por isso luta para que o referendo não ocorra. Desde a sexta-feira, o chefe da polícia da Catalunha havia ordenado que os policiais desalojassem todos os centros de votação no domingo. O governo espanhol também chegou a confiscar cédulas e materiais de propaganda eleitoral, ordenou o bloqueio de sites oficiais com informações sobre a votação.

A jornalista pernambucana Taísa Brito, mora no local e conversou com o comunicador Paulo Roberto no programa Super Domingo descrevendo as cenas de violência vistas na cidade e o clima de tensão, mas mesmo assim ela destaca que na região "a imagem da resistência é mais forte do que a imagem da violência". Ouça no flash a seguir:

Imagem

CASO VENÇA O “SIM” PELA INDEPENDÊNCIA

Segundo a jornalista, já "há um dispositivo na lei que diz que eles podem fazer a independência. Pode ser que hoje no fim do dia tenha uma declaração unilateral de independência. Até agora não tem nada disso dito oficialmente, mas está na lei".

EM VÍDEO

Nas imagens repassadas pelo brasileiro vivendo em Barcelona, Jairo Azevedo, é possível ver a ação de policiais tentando impedir que catalães entrassem em colégio eleitoral para votar:

SOBRE A CATALUNHA

Entenda os porquês de cidadãos da Catalunha defenderem a independência e quando tudo começou:

A Catalunha é uma das 17 comunidades autônomas espanholas, que são unidades administrativas que repartem todo o país em regiões com autonomia política, econômica e jurídica. Essas comunidades podem aprovar leis e têm um presidente próprio, que no caso da Catalunha se chama Carles Puigdemont. O Governo que ele preside se chama Generalitat e há, ainda, um parlamento próprio.

A Catalunha tem uma cultura e uma língua próprias (o catalão), assim como acontece, com o País Vasco e a Galícia também. Ela fica na fronteira com a França e é formada por quatro províncias: Girona, Lleida, Tarragona e Barcelona, que é a capital. A população da Catalunha corresponde a 15% da população total espanhola e tem uma economia que é uma das mais importantes da Espanha, com 19% do Produto Interno Bruto (PIB) espanhol.

Os que defendem a independência afirmam que a região contribui demais com o orçamento nacional, que serve para financiar todas as demais regiões do país. Desde 2005 o Parlamento catalão aprovou um novo estatuto de autonomia, para atualizar o que estava em vigor desde 1979. E no mês de junho, dezessete meses depois que Puigdemont assumiu a presidência da Generalitat, ele anunciou que estava convocando esse referendo popular para o dia 1º de outubro. A pergunta que está sendo feita à população hoje é: "Quer que a Catalunha seja um Estado independente em forma de República?" sim ou não?

Mariano Rajoy, presidente da Espanha, recorreu ao Tribunal Constitucional e afirmou que o referendo era ilegal, pois não está previsto na Constituição, que para ele acontecer, seria necessário mudar o texto constitucional. O Governo catalão não acatou a decisão e a tensão entre Madri e Catalunha aumentou. Quatorze membros do comando que organiza o referendo foram presos e 10 milhões de cédulas eleitorais apreendidas. Houve protestos e neste domingo, boa parte da população foi às ruas votar, demonstrando resistência.

Mais Lidas