Brasília

Judiciário deixou o Legislativo dar a última palavra, diz Álvaro Dias sobre caso Aécio

Senador falou sobre a votação que salvou Aécio Neves na noite dessa terça-feira (18)

Rádio Jornal Rádio Jornal
Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 18/10/2017 às 9:45
Leitura:

Imagem

O senador Álvaro Dias (PODE-PR) fez duras críticas aos seus pares do Senado e também ao Supremo Tribunal Federal (STF) na manhã desta quarta-feira (18). Falando sobre a votação que, na noite dessa terça-feira (17) salvou o senador Aécio Neves (PSDB-MG), o parlamentar paranaense alegou que o Poder Judiciário abdicou de uma prerrogativa que seria exclusivamente sua e que o Poder Legislativo, por meio do Senado, adotou o corporativismo para "salvar um de seus integrantes".

"Ontem houve uma transferência de competência. O Judiciário transferiu poderes ao Legislativo. Ao meu ver, transferiu indevidamente uma prerrogativa que é exclusivamente sua e intransferível, deixando o Poder Legislativo dar a última palavra em nome do Judiciário, a quem compete julgar, interpretar e aplicar a Constituição", disse o senador na entrevista concedida ao programa "Super Manhã", comandada pelo comunicador Geraldo Freire na Rádio Jornal.

Álvaro Dias alegou ainda que se estabeleceram dois sistemas de investigação criminal: "O Senado adotou o corporativismo como regra e salvou um dos seus integrantes, quando na realidade se estabelecem agora dois sistemas de investigação criminal: um para os privilegiados, que são os parlamentares, e outro para o cidadão comum".

A respeito do funcionamento do sistema político e das eleições de 2018, o senador que tem o nome cogitado para ser um dos candidatos a presidente, disse que a polarização do discurso atende apenas o apetite de radicais.

Confira a entrevista na íntegra:

Votação:

Em votação aberta, o Senado decidiu revogar o afastamento do senador Aecio Neves(PSDB-MG). Por 44 votos a 26, a decisão Supremo Tribunal Federal (STF) foi derrubada. Aécio estava afastado desde setembro quando a 1ª Turma do STF determinou devido a investigações relacionadas a delação premiada da JBS.

Ouça também a íntegra do Passando a Limpo desta quarta:

Mais Lidas