MÚSICA

Diretora do Coquetel Molotov defende "Lei Rouanet” estadual

Idealizadora do festival Coquetel Molotov foi entrevistada no "Frequência 2.0". Cantora pernambucana Isadora Melo também foi destaque no programa

Rádio Jornal Rádio Jornal
Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 21/10/2017 às 10:51
Leitura:

A mistura de todos os ritmos e a troca de experiências foram o destaque do "Frequência 2.0" desta sexta-feira (20). Os apresentadores Rafael Souza e Ravi Soares receberam a produtora cultural, idealizadora e diretora do Festival Coquetel Molotov, Ana Garcia. O programa teve a pegada musical com a cantora recifense Isadora Melo, destaque atualmente no espetáculo teatral "Dorinha, meu amor", do dramaturgo João Falcão. Escute o programa completo abaixo:

Mais incentivo

Imagem

À frente de 14 edições do Coquetel Molotov, Ana Garcia falou das mudanças do festival, dos desafios, da ampliação de estrutura, chegada em outros estados e da sempre difícil busca por recursos financeiros para o festival. Ela explica que instrumentos como a Lei Rouanet, que atua na captação de recursos via isenção de impostos, são fundamentais para o fomento da cultura no país.

De acordo com Ana, a falta de um mecenato (apoio) em Pernambuco, que só depende da Fundarpe, é um problema: "No Brasil é difícil patrocinar cultura e ponto. Em Pernambuco, a gente não tem um mecenato estadual, a gente tem um fundo de cultural o que impede de diversas empresas de patrocinarem eventos aqui. Então por que o Coquetel Molotov conseguiu ir para Belo Horizonte e Salvador? Porque os estados têm um sistema de incentivo a cultura onde a gente pode aprovar o projeto e captar com as empresas através de dedução de imposto. Então a gente tem essa dificuldade em Pernambuco que é pra abrir o mecenato e até hoje não foi aberto”, declarou.

Cultura e música

O Coquetel Molotov acontece neste sábado (21) no Caxangá Golf Club. Entre as atrações principais, MC Linn da Quebrada, Arnaldo Baptista (ex-Mutantes) e Lia de Itamaracá. A diretora do festival fala das mudanças em 14 anos: “Cada ano já ia mudando um pouco porque a internet intensificava e o público também ia aumentando. O festival em si vai moldando porque conforme ele vai crescendo você tem que começar a enxergar as necessidades da cidade, as necessidades do público”, disse.

“Dorinha, meu amor”

Imagem

Em cartaz no Recife até o próxima dia 26, o espetáculo “Dorinha, meu amor” com a pernambucana Isadora Melo é um convite ao talento e à versatilidade da cantora e também atriz. Isadora comentou sobre os principais assuntos na semana nos quadros “Se liga na parada” e “Tá ligado”.

HQs em sala de aula, sexo e signos

Na semana do professor, o professor e especialista em Histórias em Quadrinhos (HQs) Fábio Paiva falou sobre como levar os HQs para as salas de aula. Na coluna “Sexo e Relacionamento”, a sexóloga Silvana Melo diferenciou quem gosta muito e quem é viciado em sexo. E no quadro “Astros e Estrelas”, a astróloga Angela Brainner falou sobre as principais características do signo de Escorpião.

Mais Lidas