Eleições 2018

The Economist sobre Bolsonaro: pode um demagogo virar presidente?

Bolsonaro foi tema de uma reportagem da revista inglesa The Economist, umas das mais respeitadas publicações sobre economia no mundo

Rádio Jornal Rádio Jornal
Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 09/11/2017 às 13:53
Leitura:

Imagem

A revista inglesa The Economist, uma das mais prestigiadas publicações sobre economia no mundo, falou sobre o deputado federal e pré-candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSC-RJ), em sua edição desta semana. Em tom crítico, a revista falou sobre a carreira política de Bolsonaro, sua base eleitoral, seu pouco conhecimento sobre economia e perguntou: "Pode um demagogo se tornar presidente?".

A revista abre a sua reportagem dizendo que Bolsonaro está longe de ser um messias e que se aproxima mais de um "garoto impertinente".

LEIA TAMBÉM:

>> Vídeo de Bolsonaro falando sobre economia vira assunto na web

>> Bolsonaro contrata professor para ter aulas de economia

>> Lula e Bolsonaro disputariam segundo turno, diz pesquisa

"Um nacionalista religioso e ex-capitão do Exército, ele é anti-gay, pró-armas, e faz apologia de ditadores que torturaram e mataram brasileiros entre 1964 e 1985. Ele se coloca contra a elite política do país, cujo modus operandi foi exposto pelos três anos da Operação Lava-Jato", foi assim que a Economist definiu o político que aparece na segunda colocação das pesquisas de intenção de voto para a Presidência nas eleições de 2018. Bolsonaro fica atrás apenas do ex-presidente Lula (PT), que soma uma vantagem de mais de 20%, segundo a sondagem feita pelos entrevistados.

Donald Trump

A Economist ainda faz um paralelo entre Bolsonaro e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, quando fala da inexperiência do brasileiro em temas fundamentais da economia. Além disso, a revista diz também que a retórica de Bolsonaro é "ainda mais indecorosa que a de Donald Trump". "Bolsonaro admitiu recentemente em entrevista à revista Bloomberg que seu entendimento sobre economia é superficial", publicou a revista.

Segundo a leitura feita pela Economist, o voto em Bolsonaro recebe impulso por causa do cenário de desemprego, descrença na democracia e crescimento da pobreza.

LEIA MAIS:

>> Bolsonaro fala de Doria, Luciano Huck e Henrique Meireles em vídeo

>> Filho de Bolsonaro lidera pesquisa para o Senado no Rio, diz revista

>> Bolsonaro é condenado a pagar R$ 150 mil por declarações contra gays

*Com informações do Blog "Radar", na revista Veja

Mais Lidas