CONSULTÓRIO DE GRAÇA

130 mil brasileiros têm AIDS e não sabem

No dia Mundial de Luta contra a AIDS, o Consultório de Graça discutiu o tema com especialistas

Marcelo Barreto
Marcelo Barreto
Publicado em 01/12/2017 às 17:23
Leitura:

Imagem

"Nem todo mundo que tem HIV, sabe que está infectado com o vírus da AIDS. Pelo menos, 130 mil brasileiros têm a doença e não sabem". O dado alarmante foi dado pelo coordenador do programa DST/AIDS da secretaria de Saúde de Pernambuco, François Figueiroa, que enfatiza que as entidades governamentais estão se esforçando em uma luta diária para conscientizar a população sobre o perigo do vírus HIV, que é o causador da AIDS e é responsável por atacar o sistema imunológico.

No dia Mundial de Luta contra a AIDS, o Consultório de Graça desta sexta-feira (1) discutiu o assunto. Além de François Figueiroa, Graça Araújo entrevistou Wladimir Reis, coordenador geral do Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+), ONG que presta assistência a pessoas infectadas com o vírus HIV. Ouça o programa:

HISTÓRIA DA DATA

Criado em 1987, o Dia Mundial de Luta contra a Aids (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) é lembrado hoje (1º) e existe para alertar a humanidade para um dos maiores problemas de saúde pública, que já matou mais de 35 milhões de pessoas, 1 milhão delas somente em 2016.

Segundo relatório da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) e do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids), divulgado nesta quinta-feira (30), a ampliação do acesso a todas as opções de prevenção ao HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) poderia reduzir o número de novos casos do vírus na América Latina e Caribe, que desde 2010 se mantêm em 120 mil por ano.

As informações do relatório e os dados do Unaids revelam que 64% dos novos casos de HIV na América Latina ocorrem em homens gays, profissionais do sexo e seus clientes, mulheres trans, pessoas que usam drogas injetáveis e nos parceiros dessas populações-chave. Outro fato que chama a atenção é o aumento de infecção entre os jovens: um terço das novas infecções ocorre em pessoas de 15 a 24 anos.

Mais Lidas