REVIRAVOLTA

Caso Betinho: Novo laudo inocenta um dos suspeitos de matar professor

O laudo apresentado mostrou que a digital de Ademário Gomes da Silva Dantas não foi encontrada no em um dos móveis da casa do professor Betinho

Rádio Jornal Rádio Jornal
Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 04/12/2017 às 14:18
Leitura:

Imagem

A investigação sobre a morte do professor Betinho teve mais uma reviravolta. Um novo laudo realizado pelo Instituto de Criminalística de Pernambuco apontou que a digital encontrada em um dos móveis da casa de José Bernardino da Silva Filho, o Betinho, de 49 anos, não era do estudante Ademário Gomes da Silva Dantas, apontado pela Polícia Civil como um dos autores do homicídio do professor. O outro suspeito é um adolescente à época com 17 anos.

O laudo confirma o resultado de outro exame feito por peritos federais do Instituto Nacional de Identificação feito também a pedido da justiça. Segundo os peritos, as digitais encontradas são do próprio Betinho.

A justiça já está com o resultado e o laudo deve ser analisado nas próximas semanas pelo Ministério Público, que vai dar um parecer sobre o resultado. O advogado de defesa de Ademário, Jorge Wellington, informou que vai pedir a absolvição do réu ou o trancamento da ação penal.

O outro suspeito responde perante a Vara da Infância e Juventude e o processo está sob segredo de justiça. Betinho foi assassinado dentro do apartamento onde morada, no bairro da Boa Vista, em maio de 2015. A próxima audiência do caso está marcada para 23 de fevereiro de 2018.

Relembre o caso

O professor Betinho foi encontrado morto no mês de maio de 2015. De acordo com a polícia, os responsáveis pelo crime são
dois alunos da escola onde Betinho trabalhava como coordenador pedagógico, o Colégio Ágnes. O Instituto de Medicina Legal apontou ainda que Betinho foi torturado antes de ser morto.

Ademário Dantas, de 22 anos, que é filho do diretor do colégio, vai responder na justiça por homicídio qualificado e teve a
prisão preventiva decretada pela justiça. Já o outro suspeito, que na época do crime era um adolescente de 17 anos, teve o procedimento encaminhado para a Vara da Infância e Juventude e deve responder o ato infracional em reclusão.

Segundo o delegado Alfredo Jorge, as impressões digitais do adolescente foram encontradas na arma do crime, um ferro de
passar roupa, e no ventilador que teve o fio usado para amarar o pé da vítima. As digitais do Ademário Dantas foram
encontradas na sala do apartamento de Betinho.

Mais Lidas