JUSTIÇA

SDS investiga falha nas investigações de acidente na Entra Apulso

Em 13 de agosto de 2016, Pedro Henrique Machado Villacorta atropelou e matou duas pessoas na Entra Apulso, e mesmo com sinais de embriaguez foi liberado

Rádio Jornal Rádio Jornal
Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 13/12/2017 às 15:23
Leitura:

Imagem

Um ano e quatro meses depois do atropelamento que matou Isabela Cristina de Lima, de 26 anos, e Adriano Francisco da Silva, de 19, na comunidade Entra Apulso, em Boa Viagem, Zona Sul do Recife, a Secretaria de Defesa Social do Estado decidiu abrir um novo processo, para apurar irregularidades na conduta da Polícia Civil com as investigações no dia da tragédia.

Testemunhas afirmaram à polícia que o motorista Pedro Henrique Machado Villacorta, de 29 anos, estaria embriagado, mas se recusou a fazer o teste do bafômetro e foi liberado na noite do acidente sem prestar depoimento. O delegado Victor Melo, que estava de plantão na noite do acidente e sete policiais civis estão sendo investigados e podem ser punidos.

Imagem

A corregedoria vai apurar se o delegado compareceu ao plantão da noite do dia 13 de agosto de 2016, já que depoimentos indicam que ele não foi à comunidade Entra Apulso, local do acidente, nem à UPA da Imbiribeira, onde o motorista foi atendido.

O novo processo foi aberto a pedido do secretário de Defesa Social, Antônio de Pádua, e, de acordo com a tia de Isabela, Izaquiela Lima, as novas investigações foram abertas após a tragédia na Zona Norte do Recife que matou 3 pessoas no dia 26 de novembro.

Familiares e amigos de Isabela e Adriano fizeram um ato na comunidade Entra Apulso cobrando justiça e a punição de Pedro Henrique Machado, dois dias após o acidente na Tamarineira.

Confira os detalhes na reportagem de Jessica Lima:

Processo contra PMs arquivado

O processo que investigou a conduta de 9 policiais militares durante a custódia de Pedro Henrique Machado Villacorta foi arquivado e não houve punição a nenhum deles.

Pedro Henrique foi indiciado pela Polícia Civil e, em junho deste ano, o Tribunal de Justiça de Pernambuco decidiu que ele será julgado em júri popular, mas ainda não há data definida. Ele responde pelo crime em liberdade.

Mais Lidas