Reportagem Especial

A casa da bênção de Veronaldo

A história de sofrimento e superação de Veronaldo e da família comoveu o Brasil inteiro

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 18/12/2017 às 14:22
Leitura:

Imagem

Uma bênção que tem rua, número e bairro em Olinda. De fora uma humilde casa. De dentro um milagre. A residência simples de número 39, na rua Igarassu, em Peixinhos, tem valor divino para os moradores porque ela foi adquirida por meio de doações vindas de todo o Brasil depois de uma reportagem do Jornal do Commercio. Elas foram endereçadas para Veronaldo Silvino da Silva, que ganhou um novo endereço, assim como a vida da família ganhou um novo sentido.

“Casa da bênção, com honra e glória do Senhor”. A frase da placa fixada na entrada da residência resume o sentimento de gratidão imenso que não cabe naqueles poucos metros quadrados. Alegria sentida em cada cômodo que teve origem em um incômodo. No último dia 11 de abril, o entregador de água mineral, apaixonado pelo Sport, completou dez anos tetraplégico após ser atingido na cabeça por uma pedra lançada das arquibancadas do Arruda. Era a primeira vez que Veronaldo, então com 21 anos, ia a um estádio ver o time do coração. Nem chegou a entrar e ver a equipe, nem a pedra jogada de cima quando estava passando na rua ao lado para comprar o ingresso do amigo. Teve afundamento do crânio e entrou em coma. Desde então, se tornou uma vida que resiste. Que insiste em ser vida.

Ouça a matéria que foi ao ar na Rádio Jornal:

Este ano, no dia em que o jovem completou uma década de sofrimento, o JC fez uma reportagem denunciando o caso e pedindo ajuda para a família. Depois disso, a mãe de Veronaldo, Hozineide Gomes Xavier, uma guerreira de 53 anos que luta para sustentar o filho quase sem recurso algum, disse que a data ganhou um novo significado. “Antes, o 11 de abril simbolizava dor e tristeza, mas a partir deste ano ele passou a significar fé e esperança. Porque depois da reportagem publicada nesse dia os anjos de todo o Brasil viram o meu filho, entraram em contato comigo e começaram a mandar fraldas e alimentação para meu filho, com a glória do Senhor”, contou.

O país inteiro se comoveu com a história de Veronaldo depois que a reportagem publicada no C Online foi compartilhada pelo portal UOL. A notícia permaneceu na home do portal por 1 dia, 3 horas, 41 minutos e 1 segundo. Ela foi vista por quase 400 mil pessoas, a maioria de São Paulo, ficando entre as 5 mais lidas do JC Online no ano. Números refletidos diretamente na conta bancária da família humilde nos dias que se seguiram. “Cada vez que eu ia puxar o extrato uma nova surpresa. Eu me impressionava com a quantidade de bons corações espalhados por esse país. Pessoas de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro que nunca nem vi ajudando meu filho. Eu saía do banco todo dia chorando de alegria. Quase nem acreditei quando depois de um tempo eu vi um saldo de R$ 112 mil!”, disse dona Hozineide, com olhos brilhando e marejados.

Com esse montante, oito meses depois da reportagem, a família deixou o casebre alugado de apenas dois cômodos e se mudou para a citada bênção em forma de casa. Ela comprou uma casa deteriorada no mesmo bairro por R$ 70 mil e usou o resto do dinheiro doado na reforma. “Graças a Deus e os anjos do Brasil eu consegui realizar o sonho de ter uma casinha e fazer um quarto grande para meu filho do jeito que sempre quis e não tinha condições”, falou com orgulho. Único quarto, inclusive, da casa. Questionada onde dormia, a dona de casa apontou para um sofá velho na sala voltado para o quarto. “Eu preferi fazer um quarto grande para meu bebê do que ter um pra mim. Então eu durmo feliz da vida nesse sofazinho que foi doado de frente para o meu filho porque se ele tiver qualquer problema de noite ou madrugada eu corro pra ajudar”, explicou.

Todavia, na obra da casa e na compra de medicamentos para o filho, dona Hozineide, sem instrução e orientação financeira, acabou gastando mais do que havia recebido. “Fiz a casa do jeito que queria e comprei tudo que meu filho necessitava, mas acabei indo além do limite. Daí fui pedindo dinheiro emprestado a vizinhos. Hoje estou devendo uns R$ 12 mil. Mas digo para eles terem calma porque eu tenho fé que logo logo vou conseguir pagar”, garante, com firmeza.

A confiança na providência divina, no entanto, não atenua os problemas vistos na casa. O quarto, por exemplo, foi construído com o objetivo de pela primeira vez proporcionar a Veronaldo o conforto de um ar refrigerado, contando com uma porta corrediça para vedar melhor o ambiente. O aparelho de ar condicionado até foi comprado e por ironia está em uma caixa bem atrás da cama. E permanece lá. “Infelizmente eu não tenho condições de instalar, muito menos de ligar o ar. Já estou com duas contas de luz em atraso no valor de uns R$ 150 cada uma. Meu vizinho tem ar e me disse que se eu deixar ligado o dia todo pro meu filho minha conta iria pipocar até mais de R$ 500. O jeito é continuar com o ventilador mesmo”, afirmou a dona de casa que tem como fonte de renda apenas um salário mínimo da aposentadoria do filho e outro pago pela Federação Pernambucana de Futebol.

PROMESSA

A casa da bênção, como Hozineide chama a residência, não ganhou esse nome à toa. Além de ter sido adquirida por meio de doações, ela representa uma promessa feita pelo filho quando ainda era um garoto para a mãe. “Um dia me vendo aperreada sem dinheiro no dia de pagar o aluguel da casa ele virou pra mim e disse: ‘Minha mãe, não se preocupe porque um dia eu ainda vou lhe dar uma casa’(emoção). Hoje eu vejo que mesmo acamado ele cumpriu a promessa!”, afirmou para depois ficar em silêncio, com um olhar carinhoso e agradecido a Veronaldo.

Mais Lidas