Violência

Mulher é morta a facadas pelo companheiro no Cabo de Santo Agostinho

Corpo da vítima foi encontrado pelas filhas dentro da casa onde morava no Cabo de Santo Agostinho

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 29/12/2017 às 13:42
Leitura:

Imagem

Um mulher de 37 anos foi morta com duas facadas na cabeça na casa onde morava, localizada em Charneca, bairro do Cabo de Santo Agostinho. De acordo com a polícia, o principal suspeito é o marido da vítima de 41 anos.

Segundo Felipe Monteiro, delegado da Divisão de Homicídios Sul, no local do crime, o homem deixou uma carta ao lado do corpo em que confessava o crime e que iria reagir caso tentassem prendê-lo. Policiais do 18º BPM conseguiram prender o suspeito após diligências na região.

Verônica Maria da Silva, de 45 anos, foi encontrada morta pela filha que mora numa casa ao lado por volta das 5h. A polícia acredita que o crime tenha sido praticado nessa quinta-feira (28). O corpo estava na sala da casa onde ela morava e, de acordo com a polícia, não havia características de crime sexual.

Investigação

Segundo o perito Fernando Benevides, o suspeito dizia na carta que estava arrependido no crime e iria até um sítio próximo para cometer suicídio. No texto, o homem ainda afirmava que foi motivado a cometer o crime por ter sido vítima de um feitiço jogado por sua ex-mulher. Ele ainda deixou orientações para a família de como ter acesso ao dinheiro que ele tinha guardado no banco.

Benevides ainda informou que o suspeito chegou a enviar um áudio para a filha que mora no Paraná dizendo que iria praticar o crime e depois iria se matar. Ainda de acordo com o perito, os indícios apontam que o crime possa ter sido premeditado.

De acordo com o delegado Felipe Monteiro, a família da vítima e vizinhos relataram que os dois eram um casal normal e que não tinham brigas frequentes. No entanto, a filha da moça disse que às vezes o homem tinha crises de surto em decorrência de problemas psicológicos e que nos últimos dias ele andava bastante agitado.

O corpo da mulher foi removido para o Instituto de Medicina Legal (IML), do Recife. O caso deverá ser investigado pela Delegacia da Mulher do Cabo de Santo Agostinho.

Ouça os detalhes com Rafael Carneiro:

Mais Lidas