NECRÓPOLE DE GIZÉ

Quadrilha ligada a esquema de pirâmide financeira fez 103 vítimas

A polícia acredita que o esquema de pirâmide financeira era comandado por Antônio Ferreira, de 41 anos, que teve R$ 1 milhão bloqueado pela Justiça

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 04/01/2018 às 15:22
Leitura:

Imagem

A Polícia Civil de Pernambuco divulgou os detalhes da primeira operação de repressão qualificada denominada "Necrópole de Gizé", desencadeada na manhã desta quinta-feira (4), com o objetivo de investigar golpes de pirâmide financeira. De acordo com as investigações, o crime acontecia há três anos e o principal suspeito de liderar o esquema é um homem identificado como Antônio Ferreira de Araújo Júnior, de 41 anos.

Ele oferecia às vítimas três tipos de investimentos com promessa de rentabilidade de quase 200% ao ano. Ainda de acordo com a polícia, esses valores nunca foram pagos e 103 pessoas foram vítimas do esquema fraudulento, entre elas uma mulher que investiu R$ 300 mil.

O chefe da Polícia Civil Joselito Amaral afirmou que as vítimas na maioria foram empresários, gerentes de banco e investidores financeiros. “O público-alvo dele era a classe média alta”, disse.

Confira os detalhes na reportagem de Juliana Oliveira:

Crimes

Antônio Ferreira teve mandado de prisão preventiva expedido pelos crimes: contra a economia, contra o consumidor, estelionato, lavagem de dinheiro e associação criminosa. Ele foi preso dentro do apartamento onde mora no bairro de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife.

Antônio Ferreira teve as contas bancárias bloqueadas pela justiça além dos dois apartamentos que somam o valor de R$ 1 milhão. A quantia bloqueada será para devolver as vítimas do golpe. Segundo o delegado, talvez o valor não seja suficiente para quitar os débitos com as vítimas. “Nós conseguimos na Justiça bloquear R$ 1 milhão dele, mas talvez isso não seja suficiente para ressarcir essas vítimas, tendo em vista o tamanho e a lucratividade que ele tinha com esse tipo de negócio”, destacou.

A empresa funcionava de fachada com o nome de Bank Invest e foi fechada em setembro de 2016.

Mais Lidas