Michelle Melo: o Brega e o nosso povo merecem mais respeito


Michelle Melo fala sobre carreira e vida pessoal no Frequência 2.0. Programa tem ainda bate papo com o Brega Bregoso e a cantora Pablo Vittar

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 22/01/2018 às 9:57
Leitura:

Imagem

Em edição histórica, o Frequência 2.0 entrevistou a rainha do brega pernambucano: Michelle Melo. A cantora falou durante uma hora sobre a carreira, os altos e baixos, a vida pessoal e se emocionou bastante. Para completar, o programa teve ainda um bate papo com o DJ Bregoso, do popular canal na internet, Brega Bregoso e uma matéria sobre tudo o que rolou no show de Pablo Vittar no Recife. Teve direito até a mensagem da drag queen mais popular do Brasil para os pernambucanos. Escute o programa na íntegra abaixo:

Anitta engravida e Pabllo Vittar pode parar de cantar, diz Pai de Santo
Vereador no Paraná cita notícia falsa e ameaça prender Pabllo Vittar

Coragem, respeito e paixão

Consagrada como ícone do brega pernambucano nos anos 2000, a recifense Michelle Melo é uma apaixonada pelo ritmo que na visão dela é mais que um estilo musical, mas sim um movimento: “O brega é mais que ritmo, é cultura. É inadmissível que alguns achem que brega não é cultura”, afirma.

Para a cantora, o fato de vir da periferia faz o movimento brega encontrar muita resistência e sofrer muito preconceito. “Quem fala mal do brega não o conhece. É mais fácil julgar. Quando uma coisa que vem da periferia, as pessoas acham que podem criticar”, disse. A artista ainda se emocionou ao defender o grande amigo Mc Tróia (o MC Troinha): “Eu defendo muito o Troinha. Ele fala o mesmo palavrão que as pessoas falam todo dia. O movimento brega e o nosso povo merecem mais respeito.Não aceito que falem mal de ninguém do meu movimento. Para você falar do meu movimento você tem que ser maior que ele. E eu não conheço quem seja maior que o meu movimento”, disse às lágrimas.

Michelle Melo ainda ressaltou o caráter de resistência dos artistas e do público bregueiro e lembrou que o segmento contribui muito com a economia do estado e que o cidadão tem o direito de ter o ritmo entre as atrações nas festas promovidas pelo poder público. Ela alfinetou a falta de atenção dos governos mesmo com a lei que tornou o brega como expressão cultural do estado em 2017. “Nada mudou”, disparou ao afirmar que a programação do carnaval deste ano traz artistas que cantam ritmos parecidos com o brega, mas que não são pernambucanos.

Para a ex-vocalista da Banda Metade, é preciso enfrentar a hipocrisia e fazer a música que “o povo quer ouvir”: “Sou digna de mais repeito porque tenho coragem. Em uma sociedade onde as pessoas calam e baixam a cabeça para só ir com a maioria, aquele que tem coragem de ser oposição deve ser aplaudido, porque não é fácil ser oposição”, desabafou.

Realeza e vida pessoal

A cantora se arrepia todas as vezes em que é chamada de rainha do brega, título que ganhou do cantor Reginaldo Rossi, o rei do brega, morto em 2013. A honraria foi dita durante o programa de Xuxa Meneghel, ainda na TV Globo. ”Nunca caiu a ficha pra mim que sou a rainha, o brega é a majestade”, conta.

Divorciada recentemente após um casamento de quase quatro anos com o delegado Antônio Resende, Michelle diz estar feliz e fala sobre o grande amor de sua vida, a filha Bianca, que completou 12 anos nesta semana. “O que influencia minha filha é a mãe dela. Os pais precisam adotar os seus filhos”, acredita.

De família evangélica, a artista é muito religiosa e afirma que a fé cristã sempre a ajudou. “Jesus sempre está comigo e eu sempre espero os sinais que ele manda. Tenho um brega novo para lançar e estou esperando um sinal dele”, conta. A cantora, contudo, não segue a religião por não se sentir aceita.

Entre os maiores momentos da carreira, Michelle Melo recorda da participação no programa “Central da Periferia”, comandado por Regina Casé na TV Globo e gravado no Morro da Conceição em 2006. “Eu estava com 14 dias de cesariana, com cinta e cheia de analgésicos. Amamentava a minha filha no intervalo da gravação”, conta. “Eu entrei no palco de um maneira sem graça e pedi pra gravar de novo, quis entrar carregada”, relembra aos risos.

Pablo Vittar no Recife

Imagem

Sensação do momento e uma das drag queens mais populares do mundo, a cantora Pablo Vittar sacudiu o Clube Português, área central do Recife, na sexta da semana passada, dia 12/1. O repórter do “Frequência 2.0” Júlio Cirne foi ao show e entrevistou a popstar. Pablo afirmou que vem com muitas novidades em 2018.

Entre os lançamentos, videoclipes das músicas “Então Vai” e “Indestrutível”. “Não posso deixar passar o clipe de ‘Indestrutível’, que é muito importante para mim e para meus fãs”, disse a artista que ainda falou que a bandeira LGBT é mais importante que qualquer carreira internacional. Ao fim do bate papo, Pablo ainda mandou um beijo para os ouvintes pernambucanos.

Brega Bregoso e mais

Ainda dentro do especial brega, no quadro “Mistura Massa” uma entrevista com Leonardo Vasconcelos. Ele é o DJ Bregoso, expoente do canal Brega Bregoso, que começou há seis anos no Facebook e já tem mais de 800 mil seguidores, contando hoje com presença em todas as redes sociais, além de empreendimentos como camisas e até hambúrgueres.

No quadro “Sexo e Relacionamento”, a sexóloga Silvana Melo falou sobre a ejaculação precoce. Na coluna “Astros e Estrelas”, a astróloga Angela Brainner destaca os significados da entrada do Sol na constelação de Aquário. O “Frequência 2.0” é transmitido todas as sextas, às 23h, com reprise aos domingos, às 21h. Dúvidas e sugestões podem ser enviadas pelo frequência@radiojornal.com.br.


Mais Lidas