MOBILIZAÇÃO

Motoristas protestam em carreata contra lei que regulamenta o Uber


No dia de mobilização nacional, motoristas do aplicativo Uber se uniram para protestar na cidade

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 26/02/2018 às 11:52
Leitura:

Imagem

Motoristas da Uber e outros aplicativos de transporte individual fazem um protesto nas ruas do Recife, na manhã desta segunda-feira (26). A manifestação faz parte de uma mobilização nacional da empresa, que é contra o projeto de regulamentação dos aplicativos no país, em tramitação na Câmara dos Deputados Federais. O protesto se concentrou em frente ao Classic Hall, na Avenida Agamenon Magalhães, em Olinda, e seguiu em carreata para o Centro do Recife, através da Avenida Cruz Cabugá, no bairro de Santo Amaro.

Saiba mais na reportagem de Rafael Carneiro:

"O projeto foi modificado no Senado e agora volta para a Câmara. Da forma como volta do Senado é positivo para nós e é isto que queremos que seja aprovado. Foram retirados vários pontos que nos prejudicavam, como as placas vermelhas. Da forma como estava antes, nós éramos transformados em transporte público", afirma Thiago Silva, motorista de aplicativo e diretor de comunicação do sindicato da categoria.

De acordo com Thiago, o movimento espera uma grande quantidade de motoristas, já que a mobilização tem um cunho nacional. "Temos 22 mil motoristas nos dois aplicativos, Uber e 99 POP, cadastrados na cidade. Esperamos pelo menos uma grande quantidade de pessoas", explicou, enfatizando a participação de aplicativos como o Mary Drive - destinado a mulheres.

Campanha

Nas redes sociais da empresa, nos emails dos usuários, há uma forte campanha contra a lei que regulamenta os aplicativos. Na página do Facebook e uma hashtag no Twitter, a Uber subiu um tópico para falar sobre a "Lei do retrocesso".

Entenda

Em outubro do ano passado, o Senado aprovou com alterações o PLC 28/2017, que regulamenta serviços de transporte que usam aplicativo. Entre as alterações que foram feitas estão a retirada da obrigatoriedade do uso de placas vermelhas e a exigência de que o condutor seja proprietário do veículo. Também foi aprovada emenda que atribui ao município apenas a competência para fiscalizar o serviço dos aplicativos. A prefeitura não terá o papel de autorizar o exercício da atividade, como estava previsto no texto original da Câmara.

Com essa alteração, caiu o ponto principal do PLC 28/2017, do deputado Carlos Zarattini (PT-SP), que estabelecia que empresas como o Uber são prestadoras de serviço público, dependentes de regulamentação, e que os motoristas precisariam de permissão para trabalhar.

*Com informações do JC Trânsito


Mais Lidas