PROTESTO

Governador de Pernambuco confirma que assinará decreto de emergência


Decisão do governador Paulo Câmara foi tomada após declaração do presidente Michel Temer convocando plano de segurança e as forças federais

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 25/05/2018 às 17:16
JC Imagem
FOTO: JC Imagem
Leitura:

Em pronunciamento oficial na tarde desta sexta-feira (25), no Centro Integrado de Comando e Controle de Pernambuco, o governador do Estado, Paulo Câmara, confirmou que vai assinar um decreto de emergência após a declaração do presidente Michel Temer convocando um plano de segurança e as forças federais para intervir no protesto dos caminhoneiros, que para o Brasil desde a segunda-feira (21). O decreto de emergência deve ser assinado ainda nesta sexta.

O governador detalha quais medidas serão adotadas. “Hoje eu estou assinando um decreto de emergência que vai dar também condições de agilidade ao Estado e aos municípios para normalização da situação e envolve questões tributárias e financeiras”, disse. “Vai garantir ao Estado o envio das mercadorias, do combustível e a volta da normalidade das cidades”, completou.

Leia também

Temer entra com ação no STF para desbloquear rodovias do país

Justiça determina transporte de combustível para Aeroporto do Recife

Paulo Câmara ainda criticou a política de preços da Petrobrás e disse que cabe à União resolver a questão dos altos preços dos combustíveis. “Pernambuco não iniciou esse movimento de alta de combustível, foi a Petrobrás, sem diálogo e sem conversa. Fez isso também no gás de cozinha. O número de queimados nos nossos hospitais aumentou muito por conta dessa irresponsabilidade, dessa falta de diálogo e nós não vamos permitir isso, não vamos entrar nessa discussão”, criticou o governador.

Confira os detalhes:

“Nós vamos garantir a normalidade do funcionamento dos serviços públicos e a União cuide efetivamente de resolver essa questão do preço de combustível, mudando essa política absurda da Petrobras que fez parar o Brasil e está prejudicando todos os estados e municípios e, principalmente, a população”, finalizou Paulo Câmara.


Mais Lidas