ELEIÇÕES 2018

Sofro muito pelo que está acontecendo com o Lula, diz Ciro Gomes


Pré-candidato a presidente pelo PDT disse que o PT “tem feito muita bobagem” e atacado ele, mas que não se pode apagar sucesso da gestão Lula

Rádio Jornal
Rádio Jornal
Publicado em 27/06/2018 às 9:33
Foto: Alexandre Gondin/JC Imagem
FOTO: Foto: Alexandre Gondin/JC Imagem
Leitura:

Ex-ministro de Lula, o pré-candidato a presidente pelo PDT, Ciro Gomes, lamentou a prisão do ex-presidente da República em entrevista à Rádio Jornal na manhã desta quarta-feira (27). “Sofro muito pelo que está acontecendo com o Lula”, declarou. A entrevista na íntegra você escuta abaixo.

Passado e presente

Ministro da Integração Nacional no primeiro mandato de Lula (2003-2007) Ciro afirmou que a eleição de 2002 “era de Lula”. Ele disse que se desculpou pelo comentário machista que fez sobre sua então esposa, a atriz Patrícia Pillar, durante a campanha. “Graças a Deus que Lula venceu”, declarou.

Filiado ao sétimo política de sua carreira políticia, Ciro nega fama de ter intensa troca partidária. “Mudei de partido para me manter coerente. Ajudei a fundar o PSDB e ele se tornou um dos partidos mais à direita no Brasil”, frisou.

Ciro Gomes criticou o PSDB, o governo Temer e o também pré-candidato a presidente, Jair Bolsonaro (PSL): “Está caindo na minha frente uma responsabilidade histórica. Bolsonaro representa a cultura do ódio, um risco explosivo que tem que ser combatido”, afirmou.

“Nunca fui de direita, ajudei a reabrir a UNE”, disparou Ciro, criticando o governo de Fernando Henrique Cardoso (1995-2003): “FHC chegou ao poder, vendeu o Brasil e produziu uma montanha de desemprego. Eu ia ficar de cabeça balançado?”, afirmou.

Ciro sobre Lula

Sobre o PT, Ciro foi incisivo: “O menor desemprego foi 2013, 40 milhões de pessoas saíram da miséria, o salário mínimo subiu. Tenho muito orgulho de ter ajudado esses governos (Lula e Dilma)”, disse. Ele ainda afirmou que está sendo atacado pelo PT, partido que segundo ele tem “feito muita bobagem”, mas que não pode “apagar a história”, em relação ao sucesso das gestões petistas.


Mais Lidas