FEMINICÍDIO

Família de secretária morta há um ano cobra agilidade de júri popular


A secretária Gisely Kelly Tavares foi assassinada pelo namorado, o empresário Wilson Campos de Almeida Neto, no aparamento deles no Rosarinho

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 18/07/2018 às 15:26
Reprodução/ TV Jornal
FOTO: Reprodução/ TV Jornal
Leitura:

A morte da secretária Gisely Kelly Tavares, assassinada aos 37 anos, completa um ano nesta quinta-feira (19). Para marcar a data, a família da vítima realiza um protesto para cobrar mais agilidade no julgamento do acusado, o empresário Wilson Campos de Almeida Neto. O ato vai ser realizado após uma missa na paróquia do Bom Parto, no bairro de Campo Grande, Zona Norte do Recife.

Quase um ano após a morte de Gisely, saiu o pronunciamento que encaminha o apontado como autor de seu assassinato, Wilson Campos de Almeida Neto, para júri popular. A pronúncia partiu da 2ª Vara do Tribunal do Júri da Capital e foi publicada nesta terça-feira (17) no Diário Oficial. A decisão é do juiz Jorge Luiz dos Santos Henriques.

Apesar da decisão, a defesa de Wilson pode recorrer, segundo afirmou o advogado da família de Gisely, José Alves.

A partir de agora o processo passa pela Fase Preparatória, na qual as partes do processo (acusação e defesa) ainda podem emitir pedidos ao Juízo, como novas perícias ou ouvida de testemunhas, por exemplo. Na sequência, será marcada a data para realização da sessão de júri popular.

A prima de Gisely, Zenaide Fernanda, afirma que a família quer evitar que o crime seja esquecido.

Confira os detalhes na reportagem de Felipe Pessoa:

Relembre o caso

Wilson Campos de Almeida Neto, de 41 anos, está preso no Cotel
Wilson Campos de Almeida Neto, de 41 anos, está preso no Cotel
Reprodução/ TV Jornal

Gisely foi morta pelo empresário Wilson Campos de Almeida neto no apartamento em que os dois moravam, no Rosarinho, no dia 19 de julho do ano passado. Quando foi encontrado, o corpo da secretária estava despido no banheiro do apartamento.

Na época do crime, a perícia que esteve no local afirmou que não havia sinais de briga. Vizinhos do suspeito chegaram a afirmar que o empresário tinha histórico violento.

O empresário está preso no Centro de Observação e Triagem Everardo Luna (Cotel), em Abreu e Lima, desde o dia 21 de julho do ano passado, dois dias após o crime. Ele é acusado de homicídio triplamente qualificado, por feminicídio, motivo fútil e sem chance de defesa.


Mais Lidas