Eleições

Queremos uma rebelião, botar abaixo o sistema, diz Simone Fontana


Candidata do PSTU, Simone Fontana, foi a primeira a ser sabatinada na Super Manhã da Rádio Jornal por Geraldo Freire

Antônio Gabriel Machado
Antônio Gabriel Machado
Publicado em 07/08/2018 às 11:23
Guga Matos/JC Imagem
FOTO: Guga Matos/JC Imagem
Leitura:

A candidata ao Governo do Estado de Pernambuco, Simone Fontana (PSTU), afirmou que não tem um projeto eleitoral e sim um projeto de sociedade. Ainda segundo a candidata, a proposta é de autodefesa da população, diferenciando sua campanha e seu partido de outras siglas de esquerda no estado e no Brasil, como PT e PSOL. Simone foi a primeira candidata a ser entrevistada na série de sabatinas realizadas pela Rádio Jornal entre esta terça-feira (7) e o dia 20 de agosto.

Ouça a entrevista completa:

"A diferença entre PSTU e PSOL é o projeto. Estivemos em muitas frentes de luta, mas o projeto do PSOL é eleitoral. Não é um projeto de mudança da sociedade. A gente quer fazer uma rebelião, botar abaixo o sistema. O capitalismo é um sistema falido, não tem perspectiva para a sociedade. Só resta fome, miséria e desemprego. Essa é a diferença fundamental, nosso projeto não é eleitoral. Nosso partido é contra isso, o parlamento não é a forma de democracia que a gente acredita. A maioria dos deputados defendem os seus próprios privilégio ou as bancadas", disse Simone Fontana em entrevista à Rádio Jornal nesta terça-feira (7).

A candidata do PSTU ainda deixou claro o plano de governo que pretende ouvir a população. Segundo ela, assembleias populares devem ditar os ritmos das decisões governamentais. "Vamos nos basear nos conselhos populares. Hoje existe um projeto do governo de atacar uma comunidade em Barra de Jangada. Existe lá uma associação de moradores que briga para manter os moradores lá. A assembleia tem que levar a sério os anseios da população. A gente não pode deixar os privilegiados, ligados aos ricos, para decidir isso".

Desemprego no estado

O desemprego no estado de Pernambuco foi um dos pontos debatidos por Simone Fontana. Segundo ela, o plano do seu governo é diminuir a jornada de trabalho e manter o salário. O sistema agrário também foi abordado, privilegiando o pequeno agricultor.

"Redução de jornada de trabalho sem redução de salário. O trabalho de quem tá empregado é estressante. A reforma trabalhista quer explorar o trabalho. Redução de jornada de trabalho sem reduzir o salário. A economia poderia ser dinamizada. A política do governo é privilegiar a propriedade privada, precisamos de uma reforma agrária radical. A gente defende o pequeno agricultor que não recebe crédito, ínfimo em relação ao agronegócio. Queremos a reforma radical dos trabalhadores de agricultura. A miséria no campo é grande por conta da falta de irrigação", disse Simone.

Ainda no modelo de gestão proposto por Simone, a estatização das empresas deixaria o Estado em condições de gerar emprego. "Não é o empresário que gera emprego, é o trabalhador que gera lucro ao empresário. A gente defende a estatização das empresas envolvidas em escândalos de corrupção. O trabalhador desempregado deveria ter isenção de tarifa. A gente pretende acabar com o desemprego com várias propostas. O estado geraria emprego".

Economia e sociedade

Com a proposta de maior controle do Estado, Simone ainda prevê o fim do incentivo e isenção fiscal para grandes empresas, citando o caso da Fiat. "Em relação ao orçamento: fim do incentivo fiscal e das isenções fiscais. A Fiat se instalou aqui para mandar remessa de lucro para o exterior e paga salários miseráveis aos trabalhadores. A Odebrecht entrou na Compesa e agora tá numa empresa mexicana. O orçamento do estado está sendo diluído em isenções fiscais", afirmou Simone.

Governos de esquerda foram citados por Simone exemplificando a ideia de sociedade. "Serviços seriam controlados pelo estado. O estado ofereceria os serviços que a população precisa. O pequeno comerciante continuaria, ele está condenado diante dessa realidade. A revolução socialista em Cuba, na Rússia, trouxe avanços para a população que nenhum sistema capitalista pôde, nos primeiros cinco anos".

Sabatina da Rádio Jornal

Confira a agenda, todas as sabatinas acontecem das 11h às 12h durante a Super Manhã com Geraldo Freire.

TERÇA 7/8 - Simone Fontana (PSTU)
QUINTA 9/8 - Armando Monteiro Neto (PTB)
TERÇA 14/8 - Júlio Lóssio (Rede)
QUINTA 16/8 - Paulo Câmara (PSB)
SEGUNDA 20/8 - Dani Portela (PSOL)

TERÇA 28/8 - Debate entre candidatos a governador no interior do Estado (10h30 as 12h)

*Maurício Rands (PROS) ainda define data com a produção de Geraldo Freire


Mais Lidas