search close
Venezuela diz receber milhares de pedidos de ajuda para voltar ao País
Refugiados venezuelanos abrigados provisoriamente no Brasil tem dificuldade de encontrar emprego - Foto: Marcelo Camargo/Agencia Brasil
CRISE NA VENEZUELA

Venezuela diz receber milhares de pedidos de ajuda para voltar ao País

De acordo com o IBGE, cerca de 30,8 mil venezuelanos vivem no Brasil atualmente

O governo da Venezuela e o presidente Nicolás Maduro já recebeu "milhares" de solicitações de cidadãos pedindo ajuda para voltar retornar ao País. A informação foi dada pelo ministro das Comunicações da Venezuela, Jorge Rodríguez, em entrevista nessa quarta-feira (29). O porta-voz também denunciou supostas campanhas de xenofobia contra venezuelanos na região. "Estamos recebendo solicitações (de ajuda) de milhares em milhares nas nossas embaixadas (...), mas não podemos expressá-las até que isso esteja ocorrendo em tempo real para evitar qualquer tipo de retaliações contra venezuelanos que desejem ser repatriados", disse o ministro em entrevista coletiva em Caracas.

Temer cogita distribuição de fichas na fronteira com a Venezuela
Presidência descarta hipótese de fechamento de fronteira com Venezuela

De acordo com o ministro, quase 90 venezuelanos, que residiam no Peru e atravessavam uma "dura realidade", solicitaram apoio para voltar ao seu país, e que esta ajuda foi prestada em abril. O representante do Governo Maduro afirmou que os migrantes para a Colômbia e o Peru são vítimas de xenofobia, que está sendo reforçada pelos governos do País.

Emigrantes

Estimativas independentes e parlamentares de oposição ao Governo de Nivolás Maduro afirmam que pelo menos quatro milhões de venezuelanos deixaram o País nos últimos anos devido à crise. A maior parte desses emigrantes vão para a Colômbia, o Peru e o Equador.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou ontem estatísticas que apontam que cerca de 30,8 mil venezuelanos vivem no Brasil atualmente. Destes, aproximadamente 10 mil cruzaram a fronteira somente nos seis primeiros meses de 2018.


COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.