PREVIDÊNCIA SOCIAL

Polícia Federal deflagra operação contra fraudes no INSS


São executados oito mandados de busca e apreensão em Recife e Paulista. Cinco servidores do INSS foram afastados das atividade

Maria Luiza Falcão
Maria Luiza Falcão
Publicado em 01/10/2018 às 7:39
Divulgação/Polícia Federal
FOTO: Divulgação/Polícia Federal
Leitura:

A Polícia Federal em Pernambuco deflagrou esta manhã a Operação Garoa. O objetivo é combater crimes de fraude contra a previdência social. Estão sendo executando oito mandados de busca e apreensão nas cidades do Recife e Paulista.

Além disso, por determinação judicial, cinco servidores do INSS de duas agências diferentes, uma no Recife e outra em Paulista, foram afastados das atividades e impedidos de exercer função pública, além de serem impedidos de sair do país. A justiça também pediu o bloqueio das contas bancárias e dos bens dos servidores.

Saiba mais na reportagem de Juliana Oliveira:

Investigações

A investigação policial teve início em dezembro de 2017 a partir de relatórios do órgão de inteligência da Previdência Social que indicou uma série de irregularidades constatadas em benefícios assistenciais concedidos na Agência de Previdência Social (APS) em Paulista, com possível participação de servidores. Um relatório demonstrou que, no ano de 2016, a referida agência concedeu o montante correspondente a 19% da espécie Amparo Social ao Idoso em nível nacional, enquanto que a média por agência seria 3,21%, isto é, quase seis vezes mais que a produtividade comum.

Segundo a PF, a investigação ainda deve prosseguir para identificar outros envolvidos e mais benefícios fraudados. A Polícia Federal estima ter evitado um prejuízo futuro de mais de R$ 12 milhões.

Os investigados poderão responder na Justiça pelos crimes de estelionato majorado, formação de quadrilha e inserção de dados falsos em sistema de informação, além de outros crimes a serem revelados com a conclusão da investigação. As penas somadas podem alcançar mais de 20 anos de prisão.


Mais Lidas