FEMINICÍDIO

Mulher queimada pelo companheiro no Vasco da Gama morre no HR


No dia 30 de setembro, o companheiro de Carmem Rejane de Almeida, de 48 anos, jogou gasolina e ateou fogo nela após uma discussão

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 17/10/2018 às 18:12
Reprodução/ Facebook
FOTO: Reprodução/ Facebook
Leitura:

A cabeleireira Carmem Rejane de Almeida, de 48 anos, morreu na tarde desta quarta-feira (17), no Hospital da Restauração, no bairro do Derby, na área central do Recife, após passar mais de 15 dias internada na unidade de saúde por conta de queimaduras provocadas pelo companheiro. A vítima sofreu o ataque no dia 30 de setembro.

Sidraque Barbosa da Silva, de 40 anos, jogou gasolina e ateou fogo nela após uma discussão. A prima de Carmem, Suzete Sintra, que estava acompanhando ela no Hospital da Restauração, disse que a mulher ficava muito abalada quando questionada sobre a agressão.

Segundo familiares, Carmem morreu vítima de falência dos órgãos. Após a liberação, o corpo deve ser levado para a cidade de Sanharó, no Agreste de Pernambuco, onde mora a família. O sepultamento deve acontecer no cemitério público da cidade.

O suspeito também ficou ferido e procurou a unidade de saúde, mas já recebeu alta. Como não houve flagrante, ele continua solto.

O crime

A cabeleireira Carmem Rejane de Almeida foi queimada pelo companheiro, na noite do domingo 30 de setembro, no Vasco da Gama, Zona Norte do Recife. O crime teria ocorrido após uma discussão entre os dois.

Segundo informações repassadas pelo delegado Jorge Ferreira, o homem teria jogado gasolina na vítima e ateado fogo em seguida. A mulher foi levada por vizinhos para o Hospital da Restauração, onde estava internada até esta quarta-feira.

Ouça os detalhes com Débora Laryne

Homem procurou o HR

O homem que estava sendo procurado pela polícia suspeito de atear fogo na companheira foi encontrado como paciente do Hospital da Restauração, no bairro do Derby, na área central do Recife. Sidraque Barbosa da Silva, de 40 anos, deu entrada na quinta-feira dia 4 de outubro, quatro dias após o crime contra Carmem Rejane de Almeida, 42, que está internada na mesma unidade de saúde.

De acordo com a assessoria de comunicação do HR, Sidraque está internado em situação estável, no setor de queimados. Ele sofreu queimaduras de segundo e terceiro graus e tem ferimentos na face, braços e pernas. O homem teria sido atingido por fogo durante a ação contra a mulher. Carmem Rejane foi internada na ala feminina da unidade, com 40% do corpo queimado.

Ainda segundo informações da assessoria do HR, Sidraque teria procurado atendimento médico em um posto de saúde, mas foi aconselhado por enfermeiros a ir para um hospital especializado, devido a gravidade dos ferimentos. Por não suportar a dor causada pelas queimaduras, o rapaz buscou ajuda no HR, onde foi identificado.

A unidade ainda relatou que Sidraque deu entrada no HR por volta das 16h25. Mesmo sendo suspeito de uma tentativa de homicídio, policiais não acompanharam o suspeito.

De acordo com a Polícia Civil, não pôde ser feita a guarda dele por conta do período eleitoral. Segundo a legislação, só pode ser realizada a prisão se for em flagrante ou por sentença condenatória, o que não é o caso do envolvido.


Mais Lidas