Comerciantes reclamam da queda nas vendas após implantação de binário

O dono de uma granja na Rua Paraná afirma que o movimento caiu mais de 50%. Binário alterou itinerários de 4 linhas

JARDIM BRASIL
Comerciantes reclamam da queda nas vendas após implantação de binário

Comerciante afirma que as vendas despencaram após a mudança no itinerário - Foto: Foto: Rafael Carneiro/Rádio Jornal

Motoristas e passageiros transporte público, ainda estão se habituando as mudanças no trânsito de Jardim Brasil I, em Olinda. A implantação de um binário alterou a circulação nas vias Pará e Paraná, que agora são sentido único.

As cerca de 16 mil pessoas que utilizam ônibus tem que se acostumar com a mudança de itinerários de 4 linhas e os comerciantes da localidade explicam que terão prejuízos. José Aldir Carlos tem uma granja na Rua Paraná há 14 anos e diz que o movimento caiu mais de 50%. Ele diz que está fechando mais cedo com medo de assaltos.

Já para o rodoviário Moésio da Silva, a proibição de estacionamento de veículos pesados vai melhorar o trânsito. Saiba mais na reportagem de Rafael Carneiro:

 

Ordenamento do trânsito

De acordo com a Prefeitura de Olinda, o binário é importante no ordenamento do trânsito e na preservação das placas de esgoto da localidade, que sofre todos os anos com os alagamentos. O secretário de Transportes e Trânsito de Olinda, Jonas Ribeiro, afirma que a mudança altera principalmente o movimento de veículos pesados, o que afeta as placas de concreto. “O objetivo principal é preservar essas galerias porque nós temos vários problemas aqui com drenagem”, completa.

Nesta primeira semana, agentes de trânsito vão trabalhar ações educativas e depois vão notificar veículos na contramão e de grande porte estacionados em locais proibidos. As linhas que tiveram o itinerário alterados foram Jardim Brasil I (Estrada de Belém), Jardim Brasil I (Cruz Cabugá), Jardim Brasil (Joana Bezerra) e Jardim Brasil/Rio Doce.

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.