ASSASSINATO

Cinegrafista de emissora local é morto a tiros em Igarassu


Diraldo Melo Júnior, 32, estava num bar na cidade de Igarassu quando foi atingido por cinco tiros

Arlene Carvalho
Arlene Carvalho
Publicado em 15/11/2018 às 3:53
Leo Motta/JC Imagem
FOTO: Leo Motta/JC Imagem
Leitura:

Um cinegrafista de 32 anos levou cinco tiros enquanto assistia a partida entre Sport e Vitória, pelo campeonato Brasileiro e bebia com amigos em um bar na esquina da Rua Barão de Vera Cruz com a BR 10, em Cruz de Rebouças, Igarassu, Região Metropolitana do Recife (RMR). Segundo a polícia, Diraldo Melo Júnior chegou a ser levado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Cruz de Rebouças, mas veio a óbito antes de chegar na unidade de saúde.

O caso ocorreu na noite dessa quarta-feira (14). O bar estava lotado e o suspeito teria chegado e sentando numa mesa estrategicamente atrás da vítima - que estava com mais seis amigos no local. Testemunhas informaram à polícia que ele pediu uma cerveja e tomava calmamente. Posteriormente, o homem chamou o dono do bar e perguntou onde ficava o banheiro. De acordo com o Delegado Jorge Ferreira, ele chegou a se encaminhar até o sanitário mas imediatamente voltou e efetuou vários disparos contra Diraldo.

Segundo a perícia, os tiros atingiram cabeça, braço e tórax. O homem que atirou fugiu logo em seguida, mas algumas pessoas passaram características importantes sobre as características dele para a polícia. “As testemunhas informaram que o homem suspeito do crime aparenta menos de trinta anos. Ele seria magro, de pele clara, com cerca de 1,70 m de altura e vestia uma camisa verde clara”, afirmou.

O delegado ainda afirmou que chegou a informação de que o suspeito teria o apelido de Boneco, mas a polícia não confirma. “A gente ainda não sabe se isso procede ou não. Por enquanto, sabemos que a vítima aparentemente era um cidadão de bem, trabalhador e sem inimizades ou envolvimento com atividades ilícitas”, explicou Jorge Ferreira.

Investigações

O delegado completou dizendo que ainda não é possível definir uma linha de investigação neste primeiro momento. “Alguns estabelecimentos próximos possuem câmeras de segurança, isso pode ajudar na investigação”, finalizou. As imagens devem ser solicitadas pela equipe do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que ficará à frente da investigação.

Segundo colegas de trabalho, Diraldo era cinegrafista de uma emissora local. Ele deixa esposa e um filho.


Mais Lidas