PAIXÃO DE CRISTO

Descabida, diz presidente da Apacepe sobre ação judicial movida pela família de Pimentel


A família do ator José Pimentel, que faleceu este ano, pediu que o nome do ator não fosse utilizado na Paixão de Cristo do Recife

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 29/11/2018 às 17:00
Acervo/ JC Imagem
FOTO: Acervo/ JC Imagem
Leitura:

Três meses após a morte do ator José Pimentel, a família do artista entrou na justiça contra a utilização do nome do produtor cultural na Paixão de Cristo do Recife.

A liminar concedida pelo juiz da 17ª Vara da Capital proíbe que a Associação dos Produtores de Artes Cênicas de Pernambuco (Apacepe) use o nome, legado ou qualquer criação do ator e diretor José Pimentel na Paixão de Cristo do Recife. O juiz estipulou multa diária de R$ 5 mil em caso de descumprimento. A informação foi revelada pelo Blog de Jamildo.

Em entrevista à Rádio Jornal, o presidente da Apacepe, Paulo de Castro, um dos citados da ação judicial, confirmou o lançamento da encenação para esta sexta-feira (30) em coletiva de imprensa. Ele ainda não sabia da ação judicial.

Surpreso, Paulo de Castro afirmou que a paixão em produção é totalmente nova e apenas homenageia José Pimentel. Ele falou também sobre os direitos da Paixão de Cristo do Recife. "A Paixão de Cristo do Recife não é domínio da Família Pimentel, de jeito nenhum. E segundo que nós vamos montar um espetáculo que é uma nova paixão, que não tem nada a ver com Pimentel", explicou.

Homenagem retirada

Segundo ele, a homenagem pode ser retirada. "A gente quer fazer no ano de 2019 uma nova paixão em homenagem a ele [José Pimentel]. Mas se a justiça acha que eu não posso homenageá-lo, eu não homenagearei. Na realidade não é a Apacete que vai homenagear, é toda classe artística de Pernambuco", disse.

Paulo de Castro classificou de descabida a ação de Lilian Pimentel, filha do ator, e Aurinete de Oliveira Pimentel, viúva. Segundo Castro, a viúva de José Pimentel, inclusive, sofre de Alzheimer e ainda acredita que o ator está vivo.

Confira os detalhes na entrevista:


Mais Lidas