VIOLÊNCIA ANIMAL

Sociedade cobra esclarecimentos sobre cachorro morto no Carrefour


O caso repercutiu após publicação imagens fortes do animal, que foi espancado por um funcionário do Carrefour, nas redes sociais

Maria Luiza Falcão
Maria Luiza Falcão
Publicado em 04/12/2018 às 14:02
Foto: Reprodução/Internet
FOTO: Foto: Reprodução/Internet
Leitura:

Um episódio de violência animal ocorrido última quarta-feira (28) colocou a rede de supermercados Carrefour, no centro de uma polêmica. Pessoas comuns, organizações e famosos cobram esclarecimentos e um posicionamento concreto da empresa sobre o caso do cachorro morto por envenenamento e espancamento dentro da unidade de Osasco, em São Paulo. A denúncia feita nas redes sociais tomou dimensão nacional. Nas imagens que viralizaram, o animal aparece com ferimentos ao longo do corpo e vomitando sangue.

Defensores e ativistas afirmam nas redes sociais que o animal abandonado circulava nas dependências do Carrefour há alguns dias e era alimentado por funcionários do supermercado, mas como ocorreria uma visita de executivos à unidade, superiores teriam dado ordem para "limpar" o estabelecimento. Um segurança do local teria então espancado e envenenado o animal. O cachorro ainda foi socorrido pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), mas morreu em seguida. Um laudo oficial determinará a causa da morte.

O delegado Bruno Lima, ativista da causa animal, compareceu ao local. Ele afirmou que um inquérito vai apurar a causa da morte do cachorro e a conduta do segurança da empresa. “Estaremos acompanhando de perto até que esse crime seja solucionado. Temos algumas testemunhas que confirmam o ato cruel e que identificaram o autor do crime. Infelizmente a dor que o animal sofreu não temos como apagar e também a sua vida trazer de volta, mas seremos sua voz e lutaremos em seu nome”, disse o delegado.

Famosos cobram esclarecimentos

O caso tomou repercussão nacional nesta terça-feira (04). A humorista e atriz Tatá Werneck usou o Instagram para cobrar esclarecimentos sobre o episódio de violência. "O Carrefour vem apagando meus comentários (no IG oficial da empresa na rede) sobre o cachorro, não adianta apagar meus comentários, e se vocês estão repudiando tanto esse ato como vocês dizem que repudiam como nós, então digam o que vocês vão fazer agora? Vão começar a alimentar os animais abandonados? Vão ajudar as ONGs, vocês vão fazer o que?", indagou Tatá Werneck no story do instagram.

A atriz Kéfera Buchmann também usou o Instagram para cobrar um posicionamento do Carrefour. "Acredito que a política da empresa vá muito além de só um segurança que fez por vontade própria ou por alguém ter mandado na hora", desabafou no story do Instagram.

Kefera ainda falou sobre a política organizacional do Carrefour. "Se uma empresa é contra maus tratos, isso é passado nos treinamentos desde o início. Jamais teria acontecido isso se fosse algo reforçado dentro da empresa", conclui.

Carrefour se pronuncia por nota


"A rede repudia qualquer tipo de maus-tratos contra animais. Comprometido em manter a todos informados sobre o episódio ocorrido na loja de Osasco, nossa apuração preliminar apontou que o cachorro estava circulando pelo estacionamento há alguns dias. O Centro de Zoonoses de Osasco foi acionado por diversas vezes, mas não recolheu o animal. No dia do incidente, clientes se queixaram sobre a presença do cachorro, e, novamente, o órgão foi acionado. Um funcionário de empresa terceirizada tentou afastá-lo da entrada da loja e imagens mostram que esta abordagem pode ter ocasionado um ferimento na pata do animal. O Centro de Zoonoses de Osasco foi acionado novamente e compareceu ao local para recolhê-lo. No entanto, no momento da abordagem dos profissionais do órgão para imobilização, o cachorro desfaleceu em razão do uso de um “enforcador”, tipo de equipamento de contenção. A Delegacia especializada de Osasco (D.I.I.C.M.A.) abriu inquérito e está investigando o caso. Estamos colaborando com as autoridades, disponibilizamos todas as informações e imagens para que o fato seja solucionado."


Mais Lidas