INDICIADOS

Pais de menina vítima de professor norte-americano sabiam de abusos, conclui polícia


O professor norte-americano Paul Steven Perron, de 55 anos, está preso desde o dia 21 de dezembro por estupro de vulnerável

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 08/01/2019 às 14:08
Professor está preso no Cotel, em Abreu e Lima</div><div class=Foto: Divulgação / Polícia Civil de Pernambuco" />
FOTO: Professor está preso no Cotel, em Abreu e Lima
Foto: Divulgação / Polícia Civil de Pernambuco
Leitura:

Os pais da menina de 14 anos que foi abusada sexualmente pelo professor norte-americano Paul Steven Perron, de 55 anos, foram indiciados por abandono de incapaz. O inquérito sobre o caso foi concluído na segunda-feira (7) pela Delegacia de Boa Viagem.

A polícia identificou a adolescente após depoimento prestado pela vítima de 11 anos, outra vítima do norte-americano. De acordo com o delegado Ramon Teixeira, titular da Delegacia de Boa Viagem, os pais dela serão indiciados por abandono de incapaz porque, segundo as investigações, o casal sabia do envolvimento da filha com o acusado.

O professor está preso no Cotel, em Abreu e Lima, desde o dia 21 de dezembro por estupro de vulnerável e teve mandado de prisão preventiva decretado. Ele é acusado de abusar sexualmente de duas meninas. Uma delas de 11 anos de idade e a outra uma adolescente de 14 anos.

Confira os detalhes na reportagem de Juliana Oliveira:

Abusos aconteciam no flat do agressor

Os crimes aconteciam dentro do flat onde o professor morava no bairro de Setúbal, na Zona Sul do Recife. As vítimas eram abordadas por ele pelas redes sociais e se encontravam no imóvel.

A garota de 14 anos teria recebido do professor uma quantia de R$ 350 para manter relação sexual com ele.

Paul Steven Perron também foi indiciado pelo crime de favorecimento à prostituição de adolescente mediante pagamento e ficará à disposição da justiça.

Ele está no país há dois anos e era funcionário de uma escola de alto padrão no bairro de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife. Após o fato, o americano foi desligado da instituição de ensino. As vítimas não são alunas do colégio.


Mais Lidas