INVESTIGAÇÃO

Família e amigos se despedem de professora encontrada morta em casa


Professora foi encontrada morta com vários hematomas no corpo e com um grande ferimento na cabeça

Pedro Guilhermino Alves Neto
Pedro Guilhermino Alves Neto
Publicado em 07/02/2019 às 13:12
Reprodução rede social
FOTO: Reprodução rede social
Leitura:

Foi enterrado nesta quinta-feira(7) o corpo da professora Simone Pedroso da Silva. Parentes, amigos e colegas de trabalho estavam muito emocionados no Cemitério de Santo Amaro. Todos pareciam não acreditar no crime.

Pela manhã, uma das irmãs da vítima voltou ao local do crime, o apartamento da professora, que fica no Conjunto Habitacional do Cordeiro. Durante a limpeza, ela encontrou um pedaço de madeira, enrolado em um pano de TNT.

O instrumento pode ter sido utilizado para matar a professora, de 36 anos. Ele deve ser recolhido pela polícia ainda hoje. Segundo a irmã da vítima, Clicia Lúcia, não há dúvidas de que o crime foi praticado por um homem. "Falaram que viram ela com um homem. Ontem a gente esteve lá e disseram que a grade dela foi fechada por volta de 4h da manhã, desceu um homem, bateu a grade com bastante força. Minha irmã foi na frente com uma lanterna clareando, quando chegou no quarto viu o corpo em cima da cama. Quem fez isso com ela saiu, fechou a porta e pela janela jogou a chave para dentro de casa."

A família acredita ainda que drogas e bebidas alcoólicas encontradas no apartamento foram levadas pelo suspeito.

"Simone não era de usar drogas, não era de bebidas e ela era evangélica há mais de 20 anos", completou a irmã.

Relembre o caso

A professora foi encontrada morta por parentes na noite da última terça-feira. Ela morava sozinha e o corpo estava em cima da cama, com vários hematomas no corpo e um grande ferimento na cabeça, depois de faltar dois dias de trabalho.

O celular, o cartão de crédito e dinheiro da vítima desapareceram. A família também sentiu falta de uma barra de ferro, de um armário, que também pode ter sido utilizada no crime. Por enquanto não há suspeitos.


Mais Lidas