play_circle_outline
Rádio Livre

Anne Barreto e Rhaldney Santos

access_time

16:00

Balanço de Notícias

Wagner Gomes e Igor Maciel

access_time

18:00

A Hora do Ângelus

Ave Maria

play_circle_outline
Rádio Livre

Anne Barreto e Rhaldney Santos

access_time

16:00

Balanço de Notícias

Wagner Gomes e Igor Maciel

access_time

18:00

A Hora do Ângelus

Ave Maria

search close
PERNAMBUCO

Secretaria Estadual de Saúde registra queda nos casos de hepatite A

A melhor estratégia de prevenção da hepatite A é a higiene, além de saneamento básico

Secretaria Estadual de Saúde registra queda nos casos de hepatite A
A melhor estratégia de prevenção da hepatite A é a higiene, além de saneamento básico - Foto: Reprodução/ Internet

Em Pernambuco, os casos de hepatite A sofreu uma queda de 95%. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, a inclusão da vacina contra a doença no calendário foi determinante na redução desses casos em toda a população pernambucana.

A coordenadora do Programa Estadual de Imunização da Secretaria Estadual de Saúde, Ana Catarina Melo, fala sobre os dados. “A vacina é a medida mais eficaz contra a doença. Então acreditamos que após a introdução dessa vacina em 2014 ocorreu um importante impacto na redução do adoecimento. Quando você vacina alguém você consegue ter uma resposta importante, a vacina é altamente segura e eficaz”, disse.

Segundo a coordenadora, há registros de hepatite A em todas as faixas etárias.

Sintomas

A hepatite é uma inflamação aguda no fígado, que pode ser causada por vírus, bactérias ou agentes tóxicos, como o álcool. “A hepatite A é uma doença de transmissão fecal, oral. Então as pessoas têm que ter cuidado com o manuseio de alimentos, cuidados de higiene”, destacou.

Os sintomas iniciais mais comuns da hepatite A são mal estar, dores no corpo, náuseas, dor abdominal, vômitos, olhos e pele amarelados, urina bem escura e fezes claras. Eventualmente, quando o quadro é muito grave, pode causar insuficiência hepática, sangramento e morte, indicou o infectologista.

A hepatite A tem uma evolução em duas fases: primeiro o paciente apresenta um quadro agudo, que dura entre uma e duas semanas. Em seguida, há melhora e depois, uma recaída. A evolução dura de dois a três meses.

Em crianças, em geral, o quadro passa sem sinais e sintomas característicos da doença. Somente a partir de exames de sangue é possível confirmar qual tipo de vírus está envolvido naquele quadro infeccioso.


COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.