LUTO NA ARTE

Aos 96 anos, morre Bibi Ferreira, diva do teatro musical brasileiro


Bibi Ferreira havia anunciado a sua aposentadoria em setembro do ano passado

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 13/02/2019 às 14:22
Reprodução/ Instagram
FOTO: Reprodução/ Instagram
Leitura:

Considerada pela crítica a grande diva do teatro musical brasileiro, faleceu, nesta quarta-feira (13), Bibi Ferreira, aos 96 anos. A atriz, diretora e cantora sofreu uma parada cardíaca em sua casa, no Rio de Janeiro.

Em setembro do ano passado, Bibi Ferreira anunciou sua aposentadoria. "Nunca pensei em parar, essa palavra nunca fez parte do meu vocabulário, mas entender a vida é ser inteligente. Fui muito feliz com minha carreira. Me orgulho muito de tudo que fiz. Obrigada a todos que de alguma forma estiveram comigo, a todos que me assistiram, a todos que me acompanharam por anos e anos. Muito obrigada!", escreveu a atriz em um comunicado.

A nota afirmava que Bibi estava bem, em casa "mas decidiu que não terá mais possibilidade de se apresentar". "Com três internações que teve esse ano, sempre em função de infecções oportunistas e exames, entendemos que ela já não teria mais a energia necessária para se apresentar no palco", diz ainda o comunicado. Em junho de 2018, Bibi Ferreira foi internada no Hospital Pró-Cardíaco, no Rio, com um quadro de desidratação.

Bibi Ferrera era filha do ator e empresário teatral Procópio Ferreira com a bailarina argentina Abgail Izquierdo.

ÍCONE

Como um farol que, firme, ajudou a nortear várias gerações de artistas, Bibi Ferreira é uma luz que não se apaga. Sua saída de cena é um merecido descanso se alguém que viaja o mundo divulgando a arte desde a infância, nunca se esquivou em reafirmar suas posições ou mediu esforços para dignificar o ofício dos fazedores de cultura.

Não poderia, portanto, ser mais adequado o repertório que ela apresentou na sua última passagem pela capital pernambucana, que agora ganha contornos ainda mais especiais. Com sua voz poderosa e cristalina, ela cantou que não se arrependia de nada e que o passado não a interessava em Non, Je Ne Regrette Rien, imortalizada pela igualmente intensa Edith Piaf. Afirmou também que muitas vezes tinha “pensado em pular fora”, mas que seu “coração não aceitava”, entoando That’s Life, de Frank Sinatra. Bibi, por tudo, somos nós que agradecemos.


Mais Lidas