DIA DA MULHER

Procuradora diz que faltam projetos para equiparação das mulheres no mercado de trabalho

A procuradora fala a respeito do trabalho do Ministério Público para defender a igualdade de condições entre mulheres e homens no ambiente de trabalho

Pedro Guilhermino Alves Neto
Pedro Guilhermino Alves Neto
Publicado em 08/03/2019 às 11:21
Reprodução/ Internet
FOTO: Reprodução/ Internet
Leitura:

A procuradora do Trabalho Melícia Carvalho Mesel concedeu entrevista, na manhã desta sexta-feira (8), no Passando a Limpo especial do Dia Internacional da Mulher, para falar sobre as condições da mulher no mercado de trabalho.

Melícia conta que o caminho ainda é muito longo para que as mulheres tenham uma isonomia no mercado de trabalho. “Infelizmente sim. Ontem saiu um relatório da Organização Internacional do Trabalho e infelizmente os números são bem pessimistas. Apenas 43% das mulheres estão no mercado de trabalho e, quando passamos para cargos de gestão, os números são ainda mais pessimistas, menos de 1/3 ocupam cargos de gestão como presidente, direção ou CEO. Enquanto à questão salarial, nós também não tivemos avanço: as mulheres continuam recebendo menos que os homens, com a diferença de 20% na média mundial”, explicou a procuradora.

De acordo com a procuradora, em caso de gravidez, muitas mulheres são demitidas um ano após o parto, por terem que acompanhar seus filhos em médicos, escola e outros compromissos. “É uma visão machista que acha que quando uma mulher se torna mãe ela diminui seu potencial de trabalho e sua disposição. A mulher desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto, ela tem estabilidade constitucional, ela não pode ser dispensada. Quando passa esse período de estabilidade, no ano seguinte ela já é dispensada”, afirmou.

‘Eu queria dizer uma série de ações, projetos e estratégias, mas infelizmente, nesse momento, não temos. Uma pesquisa recente mostra que, entre 2018 e 2019, nós tivemos a diminuição de mulheres no mercado de trabalho e diminuição remuneratória. O que não podemos fazer é deixar de cobrar das instituições do estado em suas esferas municipais, federais, estaduais”, informou a procuradora.

A Rádio Jornal está com uma programação especial ao longo deste 8 de Março.

Confira a entrevista na íntegra:

Mais Lidas