HOLIDAY

Receosos, moradores do Edifício Holiday resistem para deixar prédio

Apesar da forte chuva, famílias se reuniram no entorno do Edifício Holiday

Pedro Guilhermino Alves Neto
Pedro Guilhermino Alves Neto
Publicado em 18/03/2019 às 14:15
TV Jornal
FOTO: TV Jornal
Leitura:

Está prevista para a próxima quarta-feira (20) a total desocupação do Edifício Holiday, em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife. O tempo vai passando e a angústia e o sofrimento dos moradores do edifício só aumentam.

Sob muita chuva, na manhã desta segunda-feira (18), as famílias estavam reunidas no entorno do Holiday. Algumas delas contavam com a ajuda de caminhões da Prefeitura do Recife para realizar a mudança. Na movimentação, outros moradores se recusavam a deixar o prédio.

A vendedora ambulante, Marlene Aparecida, mora há quase 30 anos no Holiday, e afirma que não tem condições de se mudar para outro lugar. “Final de semana foi tenso. Sem fazer nada, porque não tenho como alugar um lugar. Eu ganho R$89 por mês do governo no Bolsa Família e sou cadastrada na prefeitura para vender cachorro quente na praia. Não tenho como alugar um lugar, não tenho família, não tenho para onde ir. Minhas coisas estão todas lá do mesmo jeito e eu não vou tirar porque não tenho onde colocar”, afirmou.

A cozinheira Divani Maria é mais uma moradora que é contra a saída das famílias do prédio. De acordo com ela, o direito à moradia, previsto na constituição, é um assunto que não está sendo cumprido. “Vou resistir até o final. Não vou sair. A constituição dá direito a moradia, saúde, educação e direito de ir e vir. Cadê a constituição? Sabe o que me ofereceram? Um abrigo. Eu paguei R$40 mil pelo meu apartamento e eu vou para um abrigo? Não vou. Daqui eu não saio. Daqui ninguém me tira”, exclamou.

Alguns moradores também já procuram por equipes de saúde, que estão de prontidão na frente do Holiday. De acordo com Roberta Oliveira, coordenadora de área dos Postos de Saúde da Família da Prefeitura do Recife, toda assistência está sendo prestada para as famílias. “Nós estamos aqui para fazer a primeira escuta, fazemos o acolhimento e damos os devidos encaminhamentos. Se for necessário nos encaminhamos para algum outro local. Estamos aqui para fazer todo o acolhimento que os moradores necessitarem”, finalizou.

Desocupação

A medida de desocupação e interdição do Holiday foi tomada na última terça-feira (12) em sentença dada pelo juiz Gomes da Rocha Neto, da 7ª vara da Fazenda Pública da Capital. A decisão saiu após requerimento feito pela Prefeitura do Recife, onde foi identificado que o prédio apresenta problemas estruturais e risco de incêndio, devido às precárias condições da rede elétrica do local.

Mais Lidas