VIOLÊNCIA

Violência nas escolas: secretário diz que armar professores é uma “aberração”

No debate da Super Manhã foram discutidos temas como falta de segurança, bullying e ausência de apoio emocional nas escolas

Pedro Guilhermino Alves Neto
Pedro Guilhermino Alves Neto
Publicado em 21/03/2019 às 14:36
reprodução
FOTO: reprodução
Leitura:

A escola é tida como um local seguro, em que os pais podem deixar os filhos para que eles recebam uma educação adequada. Porém, alguns fatos recentes, como o que aconteceu no dia 13 de março, na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, São Paulo, mostram alguns problemas presentes em algumas das escolas do país: falta de segurança, livre acesso, bullying e ausência de apoio emocional.

O assunto foi tema de debate na Super Manhã, desta quinta-feira (21). Os debatedores foram: o secretário de Educação de Pernambuco Fred Amâncio, o secretário de Segurança Urbana do Recife Murilo Cavalcanti, a psicopedagoga Jojemima Mesquita e o presidente do Sintepe Fernando Melo.

Fazendo um comparativo com o caso ocorrido em Suzano, Fernando Melo, destacou como os jovens podem ser afetados pela família, a escola e a sociedade. “Você tem a escola que não tem a segurança na questão do ambiente, tem a família que coloca o seu filho na escola, que traz essa carga negativa e tem a sociedade que faz um discurso, fica indignada, mas na própria sociedade incentiva muito mais o ter do que o ser, incentiva muito mais ao jovem de não ter o limite”, afirmou

A psicopedagoga Jojemima Mesquista, diz que os pais podem preparar os filhos emocionalmente para lidar com frustrações. “É importante provocar o comportamento dos nossos filhos. Quando nossos filhos concordam muito facilmente, coloca provocações, faz os filhos lhe dar com frustações. Nós não queremos frustrar nossos filhos, queremos resolver tudo por eles e a melhor forma de compreender nossos atos é a frustação e a cultura da reflexão” explicou.

O secretário Murilo Cavalcanti, defensor da política de paz, afirma que é um desserviço à nação os senadores defenderem o armamento de professores. “Acho um desserviço à nação, à cultura de paz quando dois, três senadores da República dizem que armar os professores teria evitado o caso de Suzano. Isso é uma aberração”, disse o secretário.

O trabalho da cultura de paz, a importância do fortalecimento do diálogo e da participação dos pais na comunidade escolar, foi destacada pelo secretário de Educação Fred Amâncio, como fundamental. “Quando fala de conflitos, o trabalho de cultura de paz dentro da escola, o forte diálogo presente do dia a dia da escola envolvendo professores, estudantes e equipe de gestão da escola. Uma coisa extremamente importante é trazer os pais para dentro das escolas, os pais têm um papel muito importante nesse papel de diálogo”, finalizou

Ouça a entrevista na íntegra:

Mais Lidas