QUEIMADURA

Criança que teve 12% do corpo queimado deve receber alta na próxima semana

A criança tem 8 meses e sofreu um acidente com água quente

Pedro Guilhermino Alves Neto
Pedro Guilhermino Alves Neto
Publicado em 22/03/2019 às 14:39
Foto: Arquivo/JC Imagem
FOTO: Foto: Arquivo/JC Imagem
Leitura:

Deve receber alta na próxima semana o bebê de apenas 8 meses, que teve 12% do corpo queimado ao sofrer um acidente com água quente, nesta quinta-feira (21). De acordo com familiares, ele estava em casa, no bairro de Penedo, em São Lourenço da mata, no Grande Recife, brincando no anda já, quando bateu no fogão, uma panela com água quente caiu em cima da criança, que acabou queimada no rosto, tronco e nos braços. O bebê deu entrada no Hospital da Restauração, Área Central do Recife, na noite da quinta-feira (21), por volta das 19h30.

De acordo com chefe do Centro de Tratamento de Queimados do HR, Marcos Barreto, a criança passou pelo procedimento de limpeza, mas não precisou de cirurgia. “Portando uma queimadura de segundo grau intermediário e profundo, entorno de 12% de superfície corporal. Hoje pela manhã colocamos a criança na sala com anestesia, fizemos todo o curativo e agora é aguardar como vai ser a cicatrização das lesões”, disse Marcos Barreto.

Alerta

Segundo Marcos, para muitas famílias, é difícil evitar esse tipo de acidente, mas um olhar atento pode ajudar. “Muitas vezes a cozinha se confunde com o quarto, com sala e como é que essas pessoas vão tirar essas crianças da cozinha se ela não tem cozinha? A cozinha é a sala. Nós temos estudos estatísticos que mostram que quando o período de férias as crianças se queimam mais, porque elas estão mais em casa, estão fora da escola”, lembrou o médico.

De acordo com Marcos Barreto, um levantamento estatístico interno, realizado pelo Hospital da Restauração, mostra que, dos 3.100 pacientes que deram entrada no hospital por queimadura, em 2018, 58% eram crianças. Ainda de acordo com o estudo, 84% dos casos registrados foram causados por acidentes em casa, com água quente, gambiarra elétrica e uso inadequado de álcool.

Mais Lidas