HARPALO

Harpalo: procurador nega pedido de prisão para prefeito de Camaragibe

A Operação Harpalo investiga fraude em licitações, corrupção e lavagem de dinheiro na Prefeitura de Camaragibe

Pedro Guilhermino Alves Neto
Pedro Guilhermino Alves Neto
Publicado em 27/03/2019 às 14:37
Divulgação
FOTO: Divulgação
Leitura:

A prisão e o afastamento cautelar do prefeito de Camaragibe, Demóstenes Meira, foi solicitada pela Polícia Civil à justiça. Mas, de acordo com informações, os dois pedidos teriam sidos negados pelo desembargador do Tribunal de Justiça de Pernambuco, Mauro Alencar. Os detalhes da operação foram repassados para a imprensa em coletiva, na manhã desta quarta-feira (27).

A Operação Harpalo investiga fraude em licitações, corrupção e lavagem de dinheiro na Prefeitura de Camaragibe. De acordo com a polícia, os crimes teriam sido praticados na atual gestão do prefeito Demóstenes Meira. As investigações começaram em dezembro do ano passado.

A delegada e chefe da operação, Jéssica Ramos, explica como a ação foi iniciada. “De acordo com o relatório do Tribunal de Contas repassados para a Polícia Civil, foram encontradas irregularidades e podemos configurar o crime de fraude a licitação como a dispensa irregular feita de forma não vinculada aos ditames legais. Com a contratação direta de um dos favorecidos dos prefeitos”, explicou.

A Operação Harpalo, deflagrada nesta terça-feira (27), cumpriu 13 mandados de busca e apreensão no Recife, Jaboatão, Gravatá, Natal e Camaragibe. Os policiais apreenderam celulares, computadores, pastas de documentos e até um carro de luxo do prefeito, avaliado em mais de 100 mil reais. De acordo com a delegada, o material recolhido deve ajudar nas investigações. “Na casa do prefeito em Gravatá onde ele se encontrava, foram encontradas mais 100 pastas de documentos da prefeitura irregularmente localizados na casa dele, pois tais documentos jamais deveriam terem saídos da prefeitura. Todas as pastas foram apreendidas e vamos seguir com a apuração desse material para saber do que se tratava”, finalizou.

Pedido de impeachment

Por conta de outras polêmicas, um processo de impeachment do prefeito Demóstenes foi aprovado na câmara de vereadores de Camaragibe. O procedimento foi aberto após áudios do prefeito circularem nas redes sociais, em fevereiro, onde ele obrigava cargos comissionados a comparecerem à um show da noiva dele, Taty Dantas, que também é secretária na cidade.

Segundo o vereador de Camaragibe e relator do caso Délio Júnior, a câmara da cidade aguarda Demóstenes apresentar uma defesa para que o processo prossiga na casa.

Mais Lidas