TRABALHO

Dos 329, apenas 50 ambulantes continuarão na nova Conde da Boa Vista


Uma audiência pública realizada nesta quinta (17) discutiu a situação desses ambulantes

Pedro Guilhermino Alves Neto
Pedro Guilhermino Alves Neto
Publicado em 17/04/2019 às 14:58
Bianca Sousa/ JC Imagem
FOTO: Bianca Sousa/ JC Imagem
Leitura:

Nesta quarta-feira (17), uma audiência pública realizada na Câmara dos Vereadores, discutiu a situação dos ambulantes da Avenida Conde da Boa Vista, no Centro da Capital Pernambucana.

A reformulação da avenida, apresentada pelo Prefeitura do Recife, limita o número de trabalhadores informais no local. Dos 329 ambulantes atuais, apenas 50 vão continuar trabalhando em fiteiros específicos.

Uma pesquisa realizada pelo gabinete do vereador Ivan Moraes (Psol), apontou que 95% dos ambulantes da Conde da Boa Vista dependem exclusivamente da renda dos produtos vendidos.

[PUBLICIDADE]

Para a socióloga Ana Cecília Coentro, que participou da pesquisa, não houve nenhum estudo, por parte da Prefeitura, para discutir o impacto que essa mudança vai provocar tanto na vida quanto na família dos ambulantes. “A gente se pergunta para onde vão os outros ambulantes. Entendemos que isso vai ser prejudicial para a rendas das famílias que dependem das vendas”, afirmou.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Comércio Informal do Recife (Sintraci), Edvaldo Gomes, afirmou que a audiência serviu para apresentar um projeto diferente do que foi apresentado pela Prefeitura da Cidade. Segundo ele, essa proposta seria mais inclusiva para os ambulantes. “A gente mostrou que cabe mais de 50 ambulantes na nova Conde da Boa Vista. Mostramos para a Prefeitura que ficou de analisar o projeto e dar uma solução sobre a nova proposta apresentada”, disse.

Confira os detalhes na matéria de Max Augusto:

O secretário de Mobilidade Urbana do Recife, João Braga, esclarece que o diálogo sempre estará aberto para atender todas as demandas. "Na secretaria, certamente não há um dia na semana que nós não deixamos de atender os camelôs. Nós sempre atendemos. Sempre olhando cada grupo desse, mas é para o futuro. Tem que dar uma solução que possa preservar do ponto de vista do controle urbano, e isso não possa amanhã se desorganizar novamente", disse.

Até o momento, as obras na avenida já retiraram paradas de ônibus antigas e realizou a drenagem de um trecho. Também já foram iniciados os trabalhos de requalificação dos trajetos de passeios.


Mais Lidas