GRANDE RECIFE

Operação Libertas prende homens que descumpriram medida protetiva


De acordo com a polícia, os homens insistiam em descumprir a medida protetiva de urgência e, em alguns casos, ameaçavam as mulheres

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 10/05/2019 às 8:49
Divulgação/ Polícia Civil
FOTO: Divulgação/ Polícia Civil
Leitura:

A Polícia Civil de Pernambuco desencadeou nesta sexta-feira (10) a Operação Libertas, que tem o objetivo de cumprir mandados de prisão contra homens que praticaram violência doméstica e familiar contra a mulher e que descumpriram a medida protetiva de urgência.

Os presos estão sendo levados para a sede da Delegacia da Mulher, na Avenida Rio Branco, no bairro do Recife, área central da capital pernambucana. São cerca de 50 policiais envolvidos na operação, cuja investigação começou em abril de 2019, que cumpriu mandados nas cidades do Cabo de Santo Agostinho e Ipojuca.

Os oito mandados de prisão foram expedidos pela juíza da Vara de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher da Comarca do Cabo de Santo Agostinho.

A delegada Poliane Farias, gestora do Diretoria Integrada Especializada (Diresp), contou que a operação é inédita no Nordeste. “Todas as vítimas estavam com medidas protetivas e elas foram violadas por esses agressores. Como medida de garantir a segurança dessas mulheres, foram pedidas as prisões preventivas (...) São oito mandados de prisão, todos cumpridos, só que no dia de hoje foram cumpridos cinco e três no decorrer das investigações”, detalhou.

Assim que as medidas foram descumpridas, as mulheres procuraram a polícia para denunciar os exs companheiros. Alguns presos também praticaram outros crimes como agressão e ameaça.

Confira outros detalhes na reportagem de Cinthya Ferreira:

Prevenção ao feminicídio

De acordo com a delegada, a ação reforça o compromisso do estado em reduzir os números de violência contra a mulher. “Com essa operação a Polícia Civil de Pernambuco reafirma o compromisso de combater a violência contra a mulher e de intensificar a redução do feminicídio. Nós já estamos, este ano, com uma redução de 48% em relação ao ano passado, mas ainda não estamos satisfeitos”, concluiu.

Segundo a polícia, de janeiro a abril deste ano, 2.675 mulheres solicitaram medidas protetivas em Pernambuco, número que é 16,25% que no mesmo período de 2018. Todos os presos vão responder por descumprirem a medida protetiva e a pena varia de três meses a dois anos de reclusão, podendo ser indiciados ainda por outros crimes cometidos durante o descumprimento.


Mais Lidas