Barragem

Senadores visitam região onde barragem pode se romper


Barragem de rejeitos, de responsabilidade da mineradora Vale, corre o risco de rompimento

Agência Senado
Agência Senado
Publicado em 26/05/2019 às 12:28
Reprodução/Google Maps
FOTO: Reprodução/Google Maps
Leitura:

Os senadores Fabiano Contarato (Rede-ES) e Carlos Viana (PSD-MG) visitaram, nesta sexta-feira (24), a região da barragem da mina Gongo Soco, no município de Barão de Cocais (MG). A barragem de rejeitos, de responsabilidade da mineradora Vale, corre o risco de rompimento. Além de Barão de Cocais, outras duas cidades mineiras podem ser atingidas com os rejeitos: Santa Bárbara e São Gonçalo.

Fabiano Contarato lamentou a ocorrência de tragédias com barragens em Minas Gerais. Ele lembrou que acidentes do tipo já foram registrados no estado em 2003, 2007, 2015 e 2019. No entendimento do senador, é necessário que todos sejam responsabilizados, não só na esfera civil, mas também na penal, não só por ações, mas também pela omissão, que ele atribuiu também ao Poder Público. Contarato também questionou o serviço de monitoramento e deslocamento em tempo real. Para ele, houve falha porque as mortes não foram evitadas. Até agora, em Brumadinho, foram encontrados 241 corpos e 29 pessoas continuam desaparecidas. Além de soterrar centenas de pessoas, os rejeitos tóxicos destruíram o Rio Paraopeba, afluente do Rio São Francisco.

"Onde estava esse serviço de monitoramento em tempo real quando aconteceu o desastre de Brumadinho? Não era para evitar o acidente, mas para evitar o principal: as mortes. O principal bem jurídico que tem que ser protegido por todos, mas principalmente pelo Poder Público, é a vida humana, e esta vem sendo banalizada em detrimento do poder econômico, financeiro e patrimonial", registrou Contarato.

Alguns locais já foram evacuados

Carlos Viana afirmou que a população já está avisada e alguns locais já foram evacuados, o que diminui o risco de mortes com um possível rompimento da barragem. Ele disse também que não há convicção sobre o rompimento do talude e apontou que há possibilidade de que a barragem seja preservada. Segundo o senador, a Vale já poderia ter atuado para evitar o rompimento do talude — o que também evitaria transtornos para várias famílias da região.

"A população que estava na área de autossalvamento, na área de segurança, já foi avisada. Já foram evacuados. Ou seja, o risco de que alguém morra como nós tivemos naquele crime de Brumadinho é mínimo", afirmou o senador.

A visita ao local foi aprovada na última quarta-feira (22), em reunião da Comissão de Meio Ambiente (CMA), da qual Contarato é presidente.


Mais Lidas