NO SERTÃO

Secretaria investiga o maior surto da doença de chagas em Pernambuco

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde (SES), até o momento, 20 pessoas foram confirmadas com a doença de chagas

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 31/05/2019 às 15:47
Reprodução/ Internet
FOTO: Reprodução/ Internet
Leitura:

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) investiga um surto de chagas em Ibimirim, no Sertão de Pernambuco, o primeiro no Estado. Ao todo, 20 pessoas foram confirmadas com a doença de chagas aguda (DCA). Elas participaram de um evento religioso na cidade durante a Semana Santa e a primeira notificação foi feita no dia 20 de maio.

Segundo a SES, 25 pessoas apresentaram sintomas da doença de chagas e oito continuam internadas recebendo todo o atendimento e realizando o tratamento.

O diretor geral de Controle de Doenças Transmissíveis da SES, George Dimech, fala sobre a situação. “Uma frente é a investigação dos alimentos suspeitos para ver qual foi a causa. Provavelmente um alimento contaminado com as fezes ou pelo próprio parasita. Outro segmento está sendo na região onde tem um local provável de contaminação na cidade de Ibimirim, avaliando a presença do barbeiro e nessa presença se os barbeiros na região das casas afetadas estão com o barbeiro positivo”, detalha.

George Dimech dá orientações para a população se proteger. “O principal, no caso da oral, controle da qualidade do que a gente come. Deixar as comidas sempre cobertas, ter cuidado se o ambiente estiver muito infestado se proteger de alguma forma. Em relação à transmissão vetorial é a atenção da presença do vetor, chamar as autoridades sanitárias para verificar se é da doença de chagas. Se for, eles vão avaliar também a positividade”, destacou o diretor.

A doença de chagas é causada pelo protozoário Tripanossoma cruzi, cujo vetor é o triatomíneo (conhecido como barbeiro). Outra forma de transmissão é por meio de alimentos contaminados pelo Tripanossoma cruzi.

Confira os detalhes na reportagem de Felipe Rocha:

Confira a nota completa da SES

Inicialmente, a SES havia confirmado 18 casos de pessoas com chagas, mas esse número subiu para 20.

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) informa que está investigando um surto de doenças de Chagas no município de Ibimirim, no Sertão pernambucano. A enfermidade é causada pelo protozoário Tripanossoma cruzi, cujo vetor é o triatomíneo (conhecido como barbeiro). Outra forma de transmissão é por meio de alimentos contaminados pelo Tripanossoma cruzi. Até o momento, 18 pessoas tiveram o resultado laboratorial positivo para doença de Chagas aguda (DCA). Todas participaram de um evento religioso na cidade sertaneja durante a Semana Santa, contudo a primeira notificação chegou ao Estado no dia 20 de maio.

Atualmente, 7 pacientes encontram-se hospitalizados no Hospital Universitário Oswaldo Cruz (HUOC), com quadros estáveis e sendo tratados com o medicamento Benzonidazol, produzido exclusivamente pelo Lafepe. Os demais também estão sendo medicados e passam bem. A SES–PE ressalta, ainda, que está realizando busca ativa de casos suspeitos, em conjunto com as equipes da Regional de Saúde e do município de Ibimirim.

Estão sendo inseridos na investigação indivíduos participantes do evento religioso e que apresentem febre contínua, intermitente e prolongada por cerca de 7 dias acompanhada ou não dos seguintes sintomas: edema de face ou de membros, exantema (manchas vermelhas na pele), adenomegalia (inchaço de gânglios), hepatomegalia (inflamação do fígado), esplenomegalia (inflamação no baço), cardiopatia aguda, manifestações hemorrágicas, icterícia, náusea, astenia (perda ou diminuição de força física), mialgia (dor nas articulações) sinal de Romanã (edema inflamatório nas pálpebras) ou chagoma de inoculação (edema inflamatório na pele).

Por fim, a SES-PE ressalta que, até o momento, não há evidências para definição da forma de transmissão da doença, o que está sendo investigado.

Mais Lidas