Governo Federal

'Ambiente de intolerância', diz Bruno Araújo sobre demissão de servidora

Presidente nacional do PSDB criticou a saída de Gabriela Cruz do Ministério de Igualdade Racial

Publicado em 05/06/2019 às 11:17
Foto: Ricardo Labastier/JC Imagem
FOTO: Foto: Ricardo Labastier/JC Imagem
Leitura:

Em entrevista ao Passando a Limpo da Rádio Jornal desta quarta-feira (5), o ex-ministro das Cidades e atual presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo, comentou o caso de Gabriela Cruz, primeira mulher a presidir o Tucanafro, grupo de militância negra do PSDB e que foi exonerada do posto que ocupava na Secretaria de Igualdade Racial do governo federal nesta terça (4). Na segunda (3), ela acompanhou o novo presidente do partido, Bruno Araújo, no programa Roda Viva da TV Cultura. Bruno atribui o desligamento da servidora ao que chamou de 'ambiente de intolerância em instalado no país'.

“Essa pauta da intolerância, a Gabriela foi convidada por mim. Eu, pessoalmente, a convidei para participar do programa Roda Viva, como uma simbologia. Primeira mulher negra a presidir o Tucanafro, ela é funcionária pública de carreira, [tinha] algum cargo comissionado no Ministério da Igualdade Racial e foi demitida porque, seguramente, foi vista ao lado do presidente do PSDB. É uma retaliação e intolerância relação a Gabriela e isso demonstra muito do ambiente de intolerância que está instalado no país.”

O tucano falou sobre a posição do PSDB em relação ao governo do presidente Jair Bolsonaro em seu mandato como chefe nacional da legenda.

“É isso que o PSDB vai ter clareza em relação ao governo Bolsonaro. Vai apoiar o governo sempre que a pauta econômica tiver afinidade com o PSDB.”

Bruno afirmou que o partido deve decidir, nos próximos dias, se fecha questão ou não sobre a reforma da Previdência entre as bancadas da Câmara e do Senado.

“Pela primeira vez na história, o PSDB vai fazer uma reunião formal, como determina o estatuto. Uma reunião da executiva conjunta com a bancada federal e o Senado para tomar uma decisão em relação ao texto principal da reforma da Previdência, para decidir se fecharemos ou não a questão.”

Confira a entrevista com Bruno Araújo na íntegra:

Em entrevista ao Programa do Ratinho, do SBT, exibida na noite de terça, o presidente Jair Bolsonaro reconheceu que o governo tem tido dificuldade em montar uma base no Congresso para aprovar a proposta de Reforma da Previdência e disse acreditar que ainda não tem os 308 votos necessários para aprovar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) no plenário da Câmara, mas que parlamentares "reticentes estão cedendo" ao projeto do governo.

Mais Lidas