Bangladesh

Oito estrangeiros são detidos no Aeroporto do Recife sem visto


Eles alegaram que vieram trabalhar em uma embarcação que atracaria no Porto do Recife

Priscila Miranda
Priscila Miranda
Publicado em 05/06/2019 às 9:25
Edmar Melo/Acervo JC Imagem
FOTO: Edmar Melo/Acervo JC Imagem
Leitura:

Oito estrangeiros foram detidos no Aeroporto Internacional do Recife ao tentar entrar no País sem visto. Os cidadãos de Bangladesh, na Ásia, vieram com passaportes verdadeiros alegando que trabalhariam na embarcação que atracaria no Porto do Recife, mas segundo a polícia, a empresa dona do navio negou a contratação do grupo formado por homens de 20 a 40 anos de idade, como detalha Giovani Santoro chefe de comunicação da Polícia Federal.

“Eles apresentaram uma carta de transbordo. Só que essa empresa só chega aqui sete dias e ela desconhece a contratação desses cidadãos de Bangladesh para trabalhar a sua empresa marítima.Então foi por causa dessas irregularidades que esses oitos cidadãos de Bangladesh tiveram a sua entrada negada aqui através da Polícia Federal e já iam ser reembarcados para o país de origem. Porém os advogados chegaram logo após e solicitaram à Justiça Federal o pedido de refúgio de todos eles. A Justiça Federal acatou e nós não tivemos outra alternativa senão cumprir a determinação judicial, fazendo o processo de imigração deles no sistema e dando entrada no procedimento de refúgio e encaminhando posteriormente para o Conad, que é o Conselho Nacional para Refugiados.”

Após entrada do grupo ter sido negada no aeroporto, advogados apareceram logo em seguida. A rapidez da chegada dos defensores logo causou estranheza aos policiais. Em maio deste ano, um outro grupo de Bangladesh tentou entrar no país da mesma forma. O advogado deles na época chegou a ser preso, como explica Giovani Santoro.

“No outro caso, que aconteceu em 5 de maio, o advogado que representou esses mesmos cidadãos de Bangladesh que vieram outra vez, ele foi autuado em flagrante e foi para audiência de Custódia, em virtude de estar supostamente aliciando essas pessoas para fins de trabalho escravo aqui no Brasil.”


Mais Lidas