APÓS PRISÃO

Vice-prefeita de Camaragibe fará auditoria nos contratos da gestão de Demóstenes Meira

A vice-prefeita de Camaragibe, Nadegi Queiroz, rompeu com Demóstenes Meira 24 dias após início da gestão

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 20/06/2019 às 16:00
Divulgação
FOTO: Divulgação
Leitura:

A vice-prefeita de Camaragibe, Nadegi Queiroz, assumiu nesta quinta-feira (20), o comando do município. Nadegi tomou posse na Câmara de Vereadores após o prefeito Demóstenes Meira (PTB) ser preso e afastado do cargo pela Polícia Civil, durante operação Harpalo II. A nova prefeita já adiantou que vai fazer uma auditoria em todos os contratos da gestão anterior.

Para isso, Nadegi vai solicitar apoio do Tribunal de Contas de Pernambuco e da Polícia Civil para revisar todos os contratos da administração do primeiro ano de mandato de Demóstenes Meira.

A nova prefeita também espera apoio dos moradores para conduzir uma gestão eficiente no município. “Nós precisamos de ajuda. Precisamos de nos unir, voltar a amar essa cidade, a ter responsabilidade, respeito e cuidado”, disse.

Confira os detalhes na reportagem de Alexandra Torres:

Rompimento com Demóstenes

Embora compondo a mesma chapa, Nadegi estava rompida com Demóstenes Meira, por conta de decisões administrativas do Petebista.

Após assinar o termo de posse, no plenário da Câmara de Vereadores, a nova prefeita seguiu com uma comitiva de parlamentares para a sede da prefeitura, no bairro do Timbi. Nadegi Queiroz vai ficar no cargo por, pelo menos, 180 dias, conforme determinação da Justiça do Estado.

Nesse período, a gestora pretende reavaliar o decreto que determinou o estado de emergência no município, por conta das fortes chuvas que atingiram a região, onde sete pessoas morreram em um deslizamento de barreira.

Prisão de Demóstenes Meira

O então prefeito de Camaragibe, Demóstenes Meira (PTB) foi preso, nesta quinta-feira (20), durante operação Harpalo II, do Departamento de Repressão ao Crime Organizado (Draco). Ele foi preso no apartamento onde mora no bairro da Madalena, na Zona Oeste do Recife.

Demóstenes Meira é investigado por corrupção, fraude em licitação, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Outros dois casais, que estariam envolvidos nas fraudes também foram detidos. Severino Ramos da Silva e a esposa dele, Luciana Maria da Silva, foram presos em São Lourenço da Mata. Já o casal Carlos Augusto e Joelma Soares, seguiu do bairro de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, para a prisão.

Os três homens presos foram encaminhados ao Centro de Observação e Triagem Everardo Luna (Cotel), em Abreu e Lima, na Região Metropolitana. Já as duas mulheres presas foram levadas para a Colônia Penal Feminina Bom Pastor, no Recife.

As investigações da Polícia Civil começaram em dezembro do ano passado, onde em um dos contratos avaliados referente a uma obra de manutenção feita em uma escola de Camaragibe foi identificado que o valor do contrato ultrapassava R$ 1 milhão.

Segundo a polícia, 117 mil teriam sido desviados. A polícia também investiga outros contratos irregulares na área de engenharia e fornecimento de materiais. A delegada Pollyane Farias, da Diresp, dá detalhes da investigação.

Mais Lidas