Política

Arquivada investigação sobre suposta fraude na eleição do Senado


O senador Roberto Rocha (PSDB-MA) decidiu arquivar investigação aberta para analisar suposta fraude na eleição para a presidência da Casa, em fevereiro

Agência Brasil
Agência Brasil
Publicado em 02/07/2019 às 11:38
Geraldo Magela/Agência Senado
FOTO: Geraldo Magela/Agência Senado
Leitura:

Quase cinco meses após a eleição da Mesa Diretora do Senado o corregedor da Casa, senador Roberto Rocha (PSDB-MA) decidiu arquivar a investigação aberta para analisar suposta fraude na eleição para a presidência da Casa, em fevereiro. À época a primeira votação foi anulada depois que 82 cédulas foram apuradas na urna, uma a mais que o total de 81 senadores.

Em decisão publicada no Diário do Senado no dia 22 de junho, Rocha conclui que pela análise das imagens de TVs e câmeras de segurança não foi possível concluir, de forma categórica, o momento em que se deu a suposta fraude e nem identificar quem teria praticado o respectivo ato.

"Sendo assim, muito embora as imagens pudessem sugerir com mais ênfase a participação de algum senador, penso que a gravidade da pena, que poderia chegar até à cassação do mandato, nos impõe exigência de mais do que uma leve suspeita, mas de uma certeza plena da ocorrência do dolo, estando em jogo o valor máximo da democracia que é a soberania do voto popular, expresso pela vontade dos eleitores. As imagens, no entanto, são inconclusivas para determinar, com certeza além da dúvida razoável, a autoria e o animus do gesto",justifica o corregedor no despacho.

No mesmo documento, Rocha avalia ainda que o voto extra pode ter sido apenas um erro.“O surgimento de um voto extra, em meio a uma sessão excessivamente tumultuada, pode ter decorrido de erro, e não necessariamente de uma conduta dolosa".


Mais Lidas