CBTU

Passagem do metrô sofre segundo dos seis reajustes previstos


Entre os dias 7 de março e 30 de abril de 2020, acontece o último reajuste da passagem do metrô, quando a passagem vai custar R$ 4

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 08/07/2019 às 18:38
Felipe Ribeiro/JC Imagem
FOTO: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Leitura:

Os passageiros de metrô tiveram nesta segunda-feira (8) o primeiro dia útil de bilhete mais caro custando R$ 2,60. O ajuste faz parte do aumento escalonado autorizado pela Justiça do Distrito Federal em abril deste ano. Nas ruas, a notícia não agradou nem um pouco quem depende do transporte. São R$ 0,50 a mais por viagem, que pesam no bolso dos passageiros, que ainda esperam melhorias no serviço.

A técnica Cleonice Maria que usa o serviço diariamente reclama do reajuste. Além da insatisfação com o novo valor da tarifa a passageira, que está grávida, ainda precisa enfrentar problemas com a estrutura do serviço, como elevador e escada rolante quebrados.

Esse é o segundo de seis aumentos consecutivos previstos para o valor de embarque na plataforma até março de 2020. O superintendente da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), Leonardo Villar, explica o motivo do reajuste das passagens.

Confira os detalhes na reportagem de Bruna de Oliveira:

Mais reajustes

Ainda estão previstos mais quatro aumentos: entre 8 de setembro e 31 de outubro, o usuário vai desembolsar R$ 3 no bilhete do metrô. Entre 3 de novembro e 31 de dezembro, a previsão é de a passagem custe R$ 3,40. O penúltimo aumento, ocorre entre 5 e 28 de fevereiro de 2020, o valor será de R$ 3,70. Por fim, entre os dias 7 de março e 30 de abril de 2020, acontece o último reajuste, quando a passagem vai custar R$ 4.


Mais Lidas