VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

Mulher é atacada com substância corrosiva na Zona Norte do Recife


A família da vítima suspeita que o ex-marido da mulher esteja envolvido no ataque

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 17/07/2019 às 17:37
Arquivo/JC Imagem
FOTO: Arquivo/JC Imagem
Leitura:

Uma mulher de 28 anos deu entrada no Hospital da Restauração, no bairro do Derby, na área central do Recife, na tarde desta quarta-feira (17) com queimaduras nas costas, tórax e pescoço provocadas por uma substância corrosiva. A suspeita é de que o ex-marido da vítima esteja envolvido com o crime.

O caso acontece cerca de duas semanas depois que uma jovem de 19 anos foi atacada por ácido sulfúrico pelo ex-marido, no bairro de Nova Descoberta, na Zona Norte do Recife. Ele está preso por tentativa de feminicídio e por ter descumprido a medida protetiva. Um amigo do homem que teria segurado a vítima para que ela sofresse o ataque também está preso. A jovem se recupera no Hospital da Restauração.

Segundo a polícia, a gestora de recursos humanos saía da escola onde trabalha, no bairro do Vasco da Gama, na Zona Norte da capital pernambucana e caminhava em direção à casa dela, onde pretendia almoçar.

Era por volta do meio-dia quando ela foi abordada por duas pessoas encapuzadas, numa moto. Um dos criminosos teria atirado a substância contra ela.

A vítima foi socorrida pela vizinha e trazida por familiares para o HR. A mulher relatou à polícia que recentemente foi assaltada e depois ameaçada de morte. A família teme que o ex-marido dela possa estar envolvido nos crimes, já que ele não aceitou o pedido de divórcio.

Investigação

Segundo o delegado à frente do caso, Diego Acioli, inicialmente, a polícia não pode afirmar que houve tentativa de feminicídio. Por enquanto, o crime está sendo enquadrado como tentativa de homicídio.

Especial #UmaPorUma

A violência contra a mulher é constante e frequentemente acaba em tragédia. Existe uma história para contar por trás de cada feminicídio, em Pernambuco. O especial Uma por uma contou todas. Em 2018, o projeto mapeou onde as mataram, as motivações do crime, acompanharam a investigação e cobraram a punição dos culpados. Um banco de dados virtual, com os perfis de vítimas e agressores, além dos trágicos relatos que extrapolam a fotografia da cena do crime. Confira o especial Uma por Uma aqui.


Mais Lidas