Sites de encontro

Polícia Federal alerta para “golpe do amor” na internet

Pernambucana denunciou caso de suposto americano que conheceu de internet, que pediu dinheiro para ela

Priscila Miranda
Priscila Miranda
Publicado em 06/08/2019 às 9:21
Divulgação/Polícia Federal
FOTO: Divulgação/Polícia Federal

A Polícia Federal de Pernambuco apresentou nesta terça-feira (6) os detalhes de um novo golpe que surgiu na internet. A ação de golpistas profissionais que ganham dinheiro enganando mulheres por meio de sites de encontros, Facebook e Whatsapp. Uma pernambucana desconfiou da conversa que estava mantendo com um suposto norte-americano que conheceu na internet, e se chamava Jimmy S. Farley. De acordo com o chefe de comunicação da Polícia Federal, Giovani Santoro, a mulher procurou a PF para receber orientações a respeito da abordagem e da vida pregressa do estrangeiro.

“Informamos para ela que não tem nenhum problema em se relacionar com quem quer que seja. Apenas informamos que é preciso tomar alguns cuidados e seguir algumas orientações. Uma das principais orientações seria desconfiar se ele (estrangeiro) pedisse alguma vantagem financeira ou transferência de depósito. Dois dias depois, essa pessoa que ela havia conhecido na internet começou a fazer a solicitação de um depósito em uma conta e foi quando ela realmente entendeu que estava se relacionando com um golpista”, explicou.

Segundo Giovani, o golpista pediu que fosse depositado um valor de R$ 1.500 reais na conta de um suposto coronel, sob o pretexto de pagamento de uma taxa de adesão referente a uma licença de emergência que permitiria que ele saísse da zona de guerra por um período e pudesse fazer uma viagem ao Brasil para puder conhecê-la. “Uma história que realmente tem se tornado rotineira quando esses golpistas querem dar golpes nas mulheres. Ele disse que era militar e estava em uma zona de guerra, no Iraque, e poderia sair daquela zona de guerra e vir encontrar ela aqui no Brasil, em um prazo de 48h. Bastava apenas que ela fizesse o depósito, algo que eles chamam de depósito de emergência. Isso daria a possibilidade de ele vir para o Brasil. Foi nessas circunstâncias que ela percebeu que estava sendo vítima de um falsário, de um golpista”, esclareceu.

A pernambucana foi orientada a comparecer na Polícia Civil, onde prestou um Boletim de Ocorrência, e levou copiada todas as mensagens e fotos do golpista a fim de que uma investigação possa ser aberta.