SAÚDE

Evento na UFPE chama atenção para as doenças inflamatórias intestinais


Os sintomas das doenças inflamatórias intestinais variam conforme a parte do intestino

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 01/10/2019 às 17:00
Reprodução/Internet
FOTO: Reprodução/Internet
Leitura:

A Associação Nacional de Pacientes de Doenças Inflamatórias Intestinais (DII Brasil) promove, nesta quarta-feira (2), o encontro de pessoas com doença de crohn e retocolite ulcerativa, no auditório da Faculdade de Medicina da UFPE, a partir das 10h. As duas enfermidades são doenças inflamatórias intestinais que afetam tanto homens como mulheres. A ideia do encontro, que é gratuito, é levar informações que melhorem a qualidade de vida dos pacientes e capacitar profissionais da área saúde.

O médico gastroenterologista e palestrante do evento Gustavo Lima detalha as síndromes e destaca as diferenças. "A diferença das duas, basicamente, é que a retocolite é uma doença que afeta o colo, uma parte do intestino grosso e o reto, que é a parte final do intestino. Enquanto a doença de crohn pode afetar qualquer parte do intestino", disse.

O médico também explica quais os sintomas da doença. "Os sintomas são bastante variados, mas, praticamente, a gente pensa em doença inflamatória quando a gente tem um paciente com dor e diarreia crônica. Muitas vezes essa diarreia com sangramento, às vezes perda de peso", detalhou.

O evento integra o projeto mutirão Norte-Nordeste, realizado pela DII Brasil. Pernambuco vai ser o primeiro estado a receber o evento, a ideia é que nos próximos meses, representantes da associação possam viajar por todos os estados das regiões Norte e Nordeste.

Convivendo com a retocolite

A presidente da DII Brasilo e também palestrante do evento, Patrícia Mendes, sabe bem o que é conviver com uma dessas síndromes. Há 23 anos, ela descobriu que era portadora de retocolite ulcerativa. Patrícia reforça a importância da conscientização sobre o tema. "Enfrentar uma doença que você não conhece é bastante complicado. Pela qualidade de vida de todos os portadores é importante que seja divulgado", comentou.


Mais Lidas