Brasília

João Campos deve propor CPI para investigar vazamento de óleo

O deputado federal não poupou críticas à atuação do governo Bolsonaro no caso do vazamento de óleo, que classificou como um "crime ambiental"

Ísis Lima
Ísis Lima
Publicado em 21/10/2019 às 18:15
Luiz Macedo/Câmara dos Deputados
FOTO: Luiz Macedo/Câmara dos Deputados
Leitura:

O deputado federal João Campos (PSB) informou que vai propor a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar o vazamento de óleo que atinge as praias do Nordeste desde o início do último mês de setembro. Em entrevista ao programa Balanço de Notícias, da Rádio Jornal, o deputado fez críticas à gestão do presidente Jair Bolsonaro (PSL), no que diz respeito às ações de contenção do desastre ambiental.

[[178206,178195,178191][LEIA-TAMBEM]]

"A gente sabe que, em 2013, através de um decreto, foi instituído o Plano de Contingência Ambiental, que prevê quais devem ser ações no caso de grande desastre ambiental. Isso daí deve passar por um profissionalismo grande e não apenas pela boa vontade e o improviso", disse o deputado, que lembrou o fato de os conselhos terem sido extintos por meio de decreto assinado por Bolsonaro no início do ano: "Esse plano não está sendo cumprido, principalmente porque os dois conselhos, que foram extintos através de um decreto do presidente Jair Bolsonaro, que teriam a capacidade de organizar, de juntar as autoridades responsáveis para tomar ações conjuntas estruturadas".

Crime ambiental

Para João Campos, o desastre com óleo no litoral do Nordeste é um caso que deve envolver ações de todas as esferas da federação: "Isso é um grande crime ambiental que atinge todos o estados do Nordeste e não cabe apenas aos poderes municipais e estaduais atuarem; tem que ter uma centralidade nacional para atuar dentro disso".

Confira a entrevista na íntegra:

Ouça:

Contenção

A Marinha, a Petrobras e a Transpetro disponibilizaram barreiras de contenção e de absorção, além de mantas absorventes, para conter o avanço de petróleo em Pernambuco. A medida foi resultado de uma reunião realizada nessa quinta (17), na sede da Capitania dos Portos, na área central do Recife.

Em São José da Coroa Grande, a Prefeitura também está combatendo o avanço do petróleo. Máquinas e equipamentos estão sendo disponibilizados para uma possível retirada dos resíduos do barco e posterior transporte dele para um aterro industrial. Pescadores da região se disponibilizaram a ajudar no monitoramento das praias.

Praias que foram afetadas em Pernambuco*

  • Boa Viagem - Recife - oleada/vestígios esparsos
  • Praia Del Chifre - Olinda - oleada/vestígios esparsos
  • Candeias - Jaboatão dos Guararapes - oleada/vestígios esparsos
  • Piedade - Jaboatão dos Guararapes - oleada/vestígios esparsos
  • Praias de Gamboa - Ipojuca - oleada/vestígios esparsos
  • Praia de Nossa Senhora do Ó - Ipojuca - oleada/vestígios esparsos
  • Porto de Galinhas - Ipojuca - oleada/vestígios esparsos
  • Pau Amarelo - Paulista - oleada/vestígios esparsos
  • Conceição - Paulista - oleada/vestígios esparsos
  • Carneiros - Tamandaré - oleada/vestígios esparsos**
  • Tamandaré - Tamandaré - oleada/vestígios esparsos**
  • Ilha Cocaia - Cabo de Santo Agostinho - oleada/vestígios esparsos
  • Praia do Paiva - Cabo de Santo Agostinho - oleada/vestígios esparsos
  • Praia do Forte Orange - Ilha de Itamaracá - oleada/vestígios esparsos
  • Catuama - Goiana - oleada/vestígios esparsos
  • Ponta de Pedras - Goiana - oleada/vestígios esparsos
  • São José da Coroa Grande - oleada/vestígios esparsos**

*Apesar de afetadas, atualmente não há registro do material nestas praias. Fonte: Ibama

**Em tais localidades, há registro do material.

Saiba mais sobre as manchas de óleo

Mais Lidas