Porta-aviões e fragata da Marinha ajudarão na limpeza de óleo

Já foram contabilizadas cerca de 4.200 toneladas de resíduos de óleo retirados das praias do Nordeste

DESASTRE AMBIENTAL
Porta-aviões e fragata da Marinha ajudarão na limpeza de óleo

Agência Brasil

Dois porta-aviões e uma fragata da Marinha partiram do Rio de Janeiro nessa segunda-feira (4) para atuar em ações humanitárias relacionadas ao meio ambiente, na recuperação de áreas atingidas pelo óleo e no monitoramento das praias da região.

Com previsão de chegada no próximo domingo (10), os porta-aviões Atlântico e Bahia e a fragata Liberal levam mais de 2 mil militares, entre os quais 725 fuzileiros navais. Também estão sendo transportados oito helicópteros, que atuarão em conjunto com a Força Aérea Brasileira (FAB).

Até agora, mais de 3.370 militares da Marinha, com apoio de 23 navios da esquadra, além de mais quatro da Petrobras, estão trabalhando para reverter a situação no litoral do Nordeste, atingido há mais de dois meses por resíduos de óleo cru. As ações contam também com o apoio de 5 mil militares do Exército, que dispõem de 140 viaturas e equipamentos. Também auxiliam os trabalhos 15 aeronaves da Marinha, da Força Aérea Brasileira (FAB), do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e da Petrobras.

Leia também:

>> Navio grego é o principal suspeito do derramamento de óleo no Nordeste

>> Mancha de óleo tinha 200 quilômetros de extensão em seu marco zero

>> Vendas de peixe despencam após manchas de óleo

>> Óleo no Nordeste: campanha arrecada fundos para produção de biogel

O Grupo de Acompanhamento e Avaliação do governo informou hoje que as praias dos estados do Ceará, do Rio Grande do Norte, da Paraíba e de Pernambuco não apresentam, no momento, resíduos de óleo.

Em Alagoas, as praias de Maragogi, Japaratinga, Barra de São Miguel e Coruripe estão com vestígios de óleo. Em Sergipe, as praias atingidas são: Artistas, Aruana, Mosqueiro e Náufragos. Na Bahia, as Forças Armadas e equipes de voluntários trabalham na limpeza das praias em Jacuípe, Itacimirim, Flamengo, Barra Grande e Cairu.

Material recolhido

De acordo com levantamento feito pelo Ibama, até o dia de hoje foram contabilizadas cerca de 4.200 toneladas de resíduos de óleo retirados das praias nordestinas. O descarte do material é feito pelas secretarias de Meio Ambiente dos estados.

A Marinha e o Ibama trabalham em conjunto com o Laboratório de Biologia Pesqueira da Universidade Estadual de Feira de Santana e o Laboratório de Gestão Territorial e Educação Popular da Universidade Federal da Bahia, além de pescadores e gestores de áreas de proteção ambiental do Estado, com a finalidade de elaborar procedimentos para a prevenção da contaminação dos estuários e costa.

Leia também:

>> João Campos protocola CPI do vazamento de óleo na Câmara

>> Ciro diz que demora para conter óleo é vingança de Bolsonaro contra o NE

>> Em PE, ministro Ricardo Salles garante esforços para conter manchas de óleo

>> Bolsonaro: petróleo pode ter sido despejado "criminosamente"

>> Vazamento de óleo: Marina vem ao Recife para ato com ambientalistas

O Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) disponibilizou à Marinha diversas redes de pesca apreendidas em operações que foram distribuídas às colônias de pescadores de Caravelas, Alcobaça, Prado, Nova Viçosa e Mucuripe, na Bahia, com objetivo de serem empregadas para a contenção de resíduos oleosos.

Trajeto das Manchas de Óleo

Leia também :

>> Cresce número de pessoas com sintomas após contato com óleo nas praias

>> Especialista explica sintomas de contato com óleo nas praias

>> Dermatologista explica os riscos do contato de óleo com a pele

 

Leia também:

>> Voluntários precisam de doações para combater avanço do óleo

>> Saiba como ser voluntário na retirada de óleo das praias

>> Reeducandos ajudam na limpeza de óleo em praias de Pernambuco

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.