Secretaria de Saúde realiza ações para diagnosticar hanseníase no Recife

A ação faz parte das celebrações do Dia Mundial de Luta contra a Hanseníase e é voltada para intensificar o combate à doença

SAÚDE
Secretaria de Saúde realiza ações para diagnosticar hanseníase no Recife

As ações visam disseminar informações e conscientizar a população sobre a doença, além de realizar exames para a diagnosticação da hanseníase - Foto: Luis Oliveira/ TV Jornal

Para marcar o Dia Mundial de Luta contra Hanseníase, data que incentivou a criação do Janeiro Roxo e é celebrado no próximo domingo (26), a Secretaria de Saúde do Recife está realizando várias ações que buscam melhorar o controle da doença por meio da divulgação de informações e conscientização da população sobre sua gravidade, contribuindo para a redução do preconceito sobre a doença. Uma das ações acontece nesta quinta-feira (23), na Unidade de Saúde da Família, que fica no Parque dos Milagres, na Rua Cantora Clara Nunes, no Ibura, Zona Sul do Recife.

A coordenadora do Programa Municipal de Hanseníase, Sâmia Granjeiro, destaca a importância da ação no combate à doença. "Está acontecendo em alusão ao Janeiro Roxo, que visa intensificar a busca dos sintomáticos dermatoneurológicos, que são aquelas pessoas que têm sinais sugestivos da hanseníase. Durante toda semana, o município desenvolveu em várias unidades de saúde essas ações para buscar essas pessoas. Nesta sexta-feira (24), teremos o encerramento da campanha com uma caminhada que sairá às 8h, da Praça da República, no Centro do Recife", disse.

A especialista também explica os detalhes sobre os sintomas e o tratamento da hanseníase. "Os principais são o aparecimento de manchas que pode ter a coloração esbranquiçada, avermelhada ou acastanhada. Essas manchas têm alteração de sensibilidade. Outros sintomas como formigamento, choques e cãibras nos braços e nas pernas, que evoluem para dormência, ou seja, a pessoa se queima e não percebe. Tem também a queda de pelo que pode ser localizada ou difusa, principalmente na sobrancelha. E a perda da força muscular tanto nos braços quanto nas pernas", detalhou.

Sâmia Granjeiro explica ainda o motivo pelo qual a população tem tanto preconceito com a hanseníase. "Um dos grandes problemas que nós enfrentamos para combater a hanseníase é o preconceito. Muitas pessoas são isoladas das famílias, do trabalho e dos amigos por falta de informação. A hanseníase tem diagnóstico, tem tratamento e tem cura. Então muitas pessoas ainda associam a hanseníase de antigamente e, por isso, ainda sofrem muito preconceito", concluiu.

Ouça a reportagem de Juliana Oliveira:

Serviço:

1ª Caminhada Municipal em Alusão ao Dia Mundial contra a Hanseníase
Data: 24/01/2020
Horário: 8h
Local: Praça da República, no Centro do Recife
Destino: Marco Zero, no bairro do Recife

COMENTÁRIOS

Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.