Coronavírus

"Pode causar cegueira”, diz médico sobre uso da cloroquina sem prescrição

Medicamento tem sido divulgado como esperança no tratamento do novo coronavírus, mas é preciso prescrição médica

Publicado em 01/04/2020 às 9:24
Pixabay
FOTO: Pixabay
Leitura:

O médico reumatologista Eliezer Rushansky, em entrevista à Rádio Jornal nesta quarta-feira (1º), elencou os problemas que podem ocorrer com quem faz o uso da cloroquina como forma de prevenir o novo coronavírus sem nenhuma indicação médica. O medicamento tem sido usado em alguns tratamentos no mundo para quem apresenta os sintomas da covid-19 e, com a divulgação de sucesso em vários casos, o produto começou a sumir das prateleiras rapidamente.

Leia também: Coronavírus: uso da cloroquina é autorizado só para pacientes graves

Bolsonaro aponta estudo sobre tratamento bem sucedido do coronavírus com cloroquina

"As pessoas começaram a correr para as farmácias e comprar, o que é uma coisas absurda, porque só pode ser usada com orientação médica e acompanhamento. No tratamento da própria covid-19, é a grande esperança para os pacientes que começaram a usar, inclusive na fase inicial da doença, mas os protocolos ainda não foram aprovados", explicou.

Rushansky reforçou que a medicação pode provocar efeitos colaterais em pessoas que não precisam dela. "Não que ele provoque esses efeitos deletérios tão graves, mas pode apresentar alterações oculares importantes, alterações neuromusculares, então tem que ser acompanhado Só pode ser prescrita pelo médico. Se usada livremente, pode causar alterações na retina e inclusive a cegueira", diz o médico.

O medicamento

O médico explica o uso da medicação na reumatologia. "A hidroxicloroquina ou difosfato de cloroquina é um fármaco usado há muitos anos, principalmente na infectologia para tratar malária e, com os estudos, essa droga começou a ser utilizada em reumatologia no tratamento de algumas formas de artrite reumatoide, mas principalmente no lúpus."

Ouça a entrevista com o médico na íntegra:

Mais Lidas